19º Domingo do Tempo Comum – Ano B

Leituras:
1 Rs 19,4-8 
Sl 33(34)
Ef 4,30-5,2
Jo 6,41-51 
  As leituras deste domingo continuam a temática do pão dos domingos passados. Desta vez, o foco é, novamente, a bondade de Deus para conosco, mas, para que os bens que Ele nos destina, sejam aproveitados por nós, há a necessidade de se “provar”, experimentar o próprio Deus nos bens que Ele nos concede. Ao nos dar algo, Deus também dá a si mesmo. Também nas dificuldades, quando nos apresentamos ao Senhor, já sem forças e até ameaçados em nossa vida, Deus nos concede ainda mais vigor para caminhar.
Elias é o exemplo disso, por sua fidelidade a Deus é perseguido e se vê sem saída. Procurando refúgio no Senhor e até pedindo a morte, Elias percebe que Deus não quer a sua morte e lhe dará forças para caminhar ao seu encontro. Aqui há outro elemento importante, a presença dos anjos com o alimento para Elias é sinal de que a companhia Deus em nossa vida é alimento, força, sustento, energia e direcionamento para o encontro definitivo com a vida e felicidade completas, isto é, com o próprio Deus. Esta indicação da primeira leitura é imagem da eucaristia. Nela nos encontramos com Jesus nesta vida terrena a fim de que tenhamos força para nos preparar e caminhar, dia após dia, ao encontro definitivo com Ele.
Entretanto, ao obter os bens de Deus, precisamos perceber, como Elias, que o Senhor se manifesta em nossa vida de forma forte, como no alimento dado pelos anjos, mas também de forma discreta, como a brisa. Se esperarmos só as manifestações fortes de Deus, corremos o risco de fazer, como alguns judeus do evangelho, que vendo as ações de Jesus, duvidavam que Deus pudesse se manifestar poderosamente numa forma discreta, num homem simples como Jesus.
Por isso, São Paulo adverte aos efésios sobre o risco de barrar a ação de Deus no meio da comunidade, não levando a sério a marca com que Ele sela cada batizado, que deve imprimir nos cristãos a imitação da sua bondade com abertura e perdão.
Olhemos para nossa realidade e busquemos em Deus não só o alimento de vida, mas também o seu jeito de doar a vida, para sermos verdadeiros herdeiros do seus bens como também das suas qualidades. 

Adriano Bonfim Pereira
Seminarista em estágio pastoral