SAUDAÇÃO A DOM ARMANDO - INÍCIO DA VISITA PASTORAL


 Excelência Reverendíssima,
Estamos, de fato, iniciando a tão esperada primeira Visita Pastoral em Dom Basílio!
Nesta hora, de todos os sentimentos possíveis, prevalece em nosso coração a alegria de poder recebê-lo como quem vem para nos ver, ficar conosco, a nós falar e nos ouvir. Enfim, estamos recebendo de modo diferenciado aquele que, para nós, e em nosso meio, é o vigário e legado de Cristo.
Não somos estranhos ao nosso Bispo, que tantas vezes, e por tantos motivos, nos visita, nos evangeliza e forma, conosco festeja e celebra, como também não mede esforços nem escolhe situações para nos socorrer, consolar e enxugar nossas lágrimas, quando a dor invade a alma e a morte nos assombra.
Mas, agora, estamos numa Visita Pastoral. Nestes dias de solene presença, Excelência, na vossa pessoa e no que ela representa, esperamos ver e sentir reavivar em nós a comunhão eclesial e a corresponsabilidade pastoral. Naquilo que nos compete, aqui estamos para avaliar nossa caminhada à luz das orientações, diretrizes, prioridades e projetos pastorais de nossa amada Diocese. Estão abertos corações e mentes aos estímulos de Vossa Excelência para que possamos assumir com mais empenho e sentimento eclesial os nossos trabalhos, em clima de verdadeira comunhão e colaboração.
Existem coisas claras, já conhecidas por vossa Excelência, mas que não me parece ser demasiado apresentá-las aqui, aproveitando o ensejo e a institucionalização deste acontecimento:
O que é próprio desta terra, onde se instalou, desde o alvorecer da segunda metade do século passado, a Paróquia de São João Batista de Dom Basílio? O ser dombasiliense começa se destacando pelo espírito de acolhida e solidariedade a todos os que chegam. Temos uma história de fé enraizada na religiosidade popular. O povo daqui é simples e é um povo bom, que gosta de fazer festa, mas que também se junta na hora da dor, é um povo solidário. Quantos e quantas, mesmo com os apelos contrários, ainda prezam pela honestidade, verdade e justiça! Há um empenho muito grande para se ganhar o sustento com o próprio trabalho. Desta terra e deste povo, que, com raras exceções, valoriza a educação e aprende a trabalhar desde cedo, já de há muito tempo se enriquece e enaltece os altos escalões da vida social, política, econômica e religiosa do país, merecendo particular destaque Dom Frei Basílio, quinto Bispo de Manaus, que honra este pedaço de chão dando a ele o seu próprio nome.
E como não recordar, nesta hora de alegria, tantos e tantas que fazem da vida um constante sacerdócio! Homens e mulheres se entregam, sem medo e sem reservas, à dureza do tempo, tantas vezes semeando sem colher, porque a chuva não vem, mas persistem incansáveis, semeando e esperando, por vezes, somente do céu, o jeito, o auxílio necessário para retirar da terra, honestamente, o próprio sustento e o dos seus! Tal persistência me emociona e, não poucas vezes, questiona-me e me confunde, Dom Armando. Como explicar tamanha fé e tenacidade?
Em termos pastorais, esta Paróquia se posiciona em uma situação confortável, desde o seu início, em relação a outras da nossa Diocese, como Vossa Excelência pôde ver no relatório preliminar, e por conhecê-la muito bem, pessoalmente: as distâncias não são demasiadas, as estradas são transitáveis, há assistência constante, as comunidades possuem infraestrutura boa, e há bastante leigos e leigas engajados no trabalho pastoral. Há uma sensibilidade religiosa e deferência para com a autoridade eclesiástica, que perpassa todas as faixas etárias e camadas sociais, embora se perceba que, aos poucos, a situação está mudando.
Nem tudo são flores...