MISSA DOS SANTOS ÓLEOS e da UNIDADE.

O Bispo, junto com todos os Padres, presidirá a Eucaristia na qual serão abençoados os óleos dos Enfermos e dos catecúmenos e consagrado o óleo do Crisma. É um dia especial, com uma rica e sugestiva liturgia. Aqui colocamos algumas anotações litúrgico-teológicas para compreender melhor e viver com mais intensidade espiritual a celebração. Todos são convidados para participar com fé e alegria da mesma, sobretudo os Crismandos.
ORIGEM: até o fim do século VII, durante a Quaresma; depois, na quinta-feira santa, por uma razão prática: poder dispor dos santos óleos para a celebração dos Sacramentos da Iniciação, na Vigília pascal.
SIGNIFICADO GERAL: sinal de comunhão dos Presbíteros com o seu Bispo; festa do sacerdócio.
ELEMENTOS RITUAIS:
a) As festas pascais que se aproximam.
b) Os três óleos: benção dos óleos dos enfermos e dos catecúmenos; consagração do óleo do Crisma.
Origem cultural e bíblica do óleo:
-   ungir os reis (1 Sm 16,1.11b-13); os sacerdotes (Ex 30,22-25); os profetas (1 Rs 19,15-16);
-   consagrar todas as pessoas que tinham uma missão específica de serviço a Deus e à Comunidade;
-   Jesus Messias (palavra hebraica) – Cristo (palavra grega) = O Ungido.
c) Leituras bíblicas: Is 61,1-3a-8b-9: O Espírito repousa... me ungiu... me enviou - Ap 1, 5-8: Jesus Cristo fez de nós um reino e sacerdotes para o nosso Deus;- Lc 4, 16-21: a realização das profecias:Hoje se cumpriu...
d) Textos eucológicos: Orações da missa; Prefácio; Orações de benção e Consagração: explicam o sentido que cada óleo tem na vida do cristão.
e) Compromisso de fidelidade dos Presbíteros à sua missão (Paulo VI, 1970).
ANOTAÇÕES TEOLÓGICAS
a) DEUS: ungiu o Filho com Espírito Santo; o fez Cristo e Senhor (Coleta); nos renova pelos Sacramentos (depois da Comunhão).
b) JESUS:
- Ungido de Espírito Santo (Coleta, Salmo, Evangelho);
- Pontífice da Nova e Eterna Aliança; único Sacerdote (Prefácio);
- Cabeça e Pastor (renovação promessas);
- fez de nós um reino e sacerdotes (Ap e Ant);
- escolhe homens que pela imposição das mãos tomam parte em seu ministério.
c) OS ESCOLHIDOS: (homens que) pela imposição das mãos (ministério sagrado):
- renovam o Sacrifício da redenção humana;
- servem aos vossos filhos o Banquete da Páscoa;
- restauram o povo com os Sacramentos;
- vão à frente do povo na Caridade e o alimentam com a Palavra;
- dão a Vida por Vós (Deus) e seus irmãos;
- procuram assemelhar-se ao próprio Cristo e são testemunhas constantes da fidelidade e do amor de Cristo (Prefácio).
- Eles recebem o ministério da síntese; tem a responsabilidade de discernir e coordenar os dons de todos ao serviço do Espírito, para que cada um colabore para construir comunhão.
d) TODOS (os participantes à celebração):
- participam da consagração de Cristo (Coleta);
- sejam testemunhas da Redenção (Coleta);
- sigam Cristo, Cabeça e Pastor (Promessas);
- levados não pela ambição dos bens materiais (ib).
e) CONCLUINDO: Por esta celebração... se destrua o homem velho, se renove nossa vida, obtenhamos a salvação (sobre as oferendas); sejamos bom odor de Cristo (depois da Comunhão). Tudo deve ser vivido num estilo de caridade, isto é, de fidelidade e de amor, de escuta, diálogo, tolerância, corresponsabilidade. Por isso, Eternamente, Senhor, cantarei o teu amor (Salmo).

Dom Armando