A PASTORAL LITÚRGICA - I

Uma exigência de nossa vida eclesial no que se refere à liturgia, é a efetiva organização da Pastoral litúrgica. Em todas as paróquias existem grupinhos que atuam para preparar e animar as celebrações; mas, isso não é ainda “Pastoral litúrgica”. Por isso, é preciso dar mais um passo: organizar uma verdadeira Pastoral para a animação da vida litúrgica e dar a ela sua identidade e função.
Para facilitar a compreensão e a realização desse objetivo, eis algumas sugestões, que, há anos, encontram-se num documento (n. 43) da CNBB (Comissão da Liturgia)[1]. Antes de tudo, distinguimos entre Pastoral litúrgica e Equipes de celebração. As equipes são grupos de pessoas que organizam e animam uma celebração (da Eucaristia, do Culto, do Batismo etc.); da Pastoral litúrgica fazem parte pessoas que formam um grupo estável e orientam as equipes para a preparação e a realização das diferentes celebrações.  
1.  A Equipe de Pastoral litúrgica
A finalidade da Equipe de Pastoral litúrgica é favorecer a participação do povo de Deus nas ações litúrgicas para que a Igreja tenha comunidades vivas, comprometidas com a missão de Jesus Cristo e com a prática da caridade. Ela tem como sua competência e missão animar a vida litúrgica numa paróquia. Suas funções são:
       Cuidar da dimensão celebrativa no conjunto da ação evangelizadora e pastoral da Comunidade, da qual a liturgia é culminância e nascente;
       organizar, formar e orientar as equipes de celebração;
       planejar, animar, coordenar e avaliar a vida litúrgica da Paróquia e suas comunidades;
       ajudar todos os fiéis na vivência das diferentes celebrações, a fim de que a oração litúrgica seja, de fato, fonte de piedade e ali­mento da oração pessoal (cf. SC 90);
       garantir que a celebração do mistério pascal de Cristo, ilumine a vida da Igreja, dando destaque e  atenção especial às celebrações dos tempos ‘fortes’ do Ano Litúrgico;
       fazer com que, também e sobretudo por meio da liturgia, as comunidades eclesiais sejam sempre mais vivas e missionárias.
Em síntese, as principais tarefas da Equipe de Pastoral litúrgica são: animar a vida litúrgica, planejar, coor­denar, formar e orientar; em fim, avaliar para melhorar sempre mais as celebrações litúrgicas a partir da compreensão e vivência do que a Liturgia é em nossa vida eclesial.
Para fazer parte da equipe de Pastoral litúrgica as pessoas devem ser engajadas na vida da comunidade, e, animadas pela fé, assumir e realizar de forma corresponsável e competente o serviço de animação litúrgica. O ideal é que ela seja plural, isto é, que reflita e integre a diversidade de idades, sensibilidades e engajamentos nas diversas dimensões da pastoral da Igreja[2].
A equipe de Pastoral litúrgica atua bem quando constituída por pessoas que compreendem e amam a liturgia e prestam serviço, de forma gratuita e desinteressada, aceitando trabalhar em equi­pe e procurando uma formação permanente. Ela é, antes de tudo, uma equipe de vida, de oração, imbuída do espírito do serviço e comprometida com a santidade e a espiritualidade da Igreja.
Para uma efetiva participação e crescimento eclesial, é mui­to importante que, periodicamente, se renove o quadro de seus membros. Isto evitará os monopólios, o cansaço e a rotina[3].
Falaremos na próxima semana das Equipes de celebração.
Dom Armando






[1]CNBB. Animação da Vida Litúrgica no Brasil. (Documento 43).
[2] Cf. CNBB. Animação da Vida Litúrgica no Brasil. (Documento 43), n. 216.
[3] Idem, n. 216.