Solenidade de Pentecostes


Leituras: Atos 2,1-11
Salmo 103
Cor 12,3b-7;12-13
João 20,19-23

A solenidade que celebramos é chamada de Pentecostes. Significa ’50 dias’ (após a Páscoa). Festa muito antiga dos hebreus que celebravam a Aliança realizada entre o Senhor Deus e o povo, por intermédio de Moisés, ao Monte Sinai (ou Horeb). Aqui o povo tinha acolhido a Lei com os mandamentos; o Senhor seria o único Deus de Israel. Celebrava-se assim, a fidelidade de Deus para com seu povo e o povo renovava seu compromisso.

O evangelista Lucas coloca na ocasião da festa do Pentecostes uma grande manifestação do Espírito (I leitura) que desce ‘como vento e fogo’ sobre a Comunidade nascente. O grupo dos seguidores de Jesus, amedrontado pela morte do Mestre, está em oração quando, de repente descem ‘como línguas de fogo que se repartiam’, e “todos ficaram cheios do Espírito Santo”.
O que segue é maravilhoso! O medo acaba, começa a missão. Consiste em anunciar a morte e ressurreição do Senhor Jesus, com ardor e entusiasmo. A multidão acorre, escuta com atenção e acolhe a pregação de Pedro e companheiros. E “cada um ouvia os discípulos falar em sua própria língua”: eis o milagre do Pentecostes: diferenças e divisões são superadas; se realiza o que são Paulo escreve em sua carta (II leitura): “De fato, todos nós, judeus ou gregos, escravos ou livres, fomos batizados num único Espírito, para formarmos um único corpo”. A Igreja, Corpo místico de Cristo, é chamada a ser ‘sinal e instrumento’ de comunhão’. A nova língua que o Espírito ensina e a do amor, da paz e do perdão.
O Evangelho de João o afirma com clareza.  Paz e o perdão são os primeiros dons do Ressuscitado. Dons que Jesus, vencedor da morte, dá aos discípulos desde o primeiro encontro no “primeiro dia da semana”, isto é, no dia da Páscoa. Jesus entra, apesar das portas fechadas, e cumprimenta seus amigos com aquela saudação que é promessa de plenitude: “A paz (shalom) esteja com vocês”.  Ele, que conserva ainda a marca da paixão (“mostrou-lhes as mãos e o lado”) doa logo o Espírito prometido: “Recebam o Espírito Santo” com a missão de serem instrumento de perdão: “A quem perdoarem os pecados, eles lhes serão perdoados”.
O divino Espírito rompe barreiras, supera divisões, aquece corações, ilumina mentes e consola na dor, é força para os seguidores de Jesus. A Sequência (cântico poético) que segue a II leitura, afirma-o com palavras bonitas: “Vinde Pai dos pobres, daí aos corações vossos sete dons. Consolo que acalma, hóspede da alma, doce alívio, vem”.
A Palavra hoje nos proporciona numerosos ensinamentos. Destacamos o espírito da oração que, pelo dom do Espírito, distingue os discípulos, isto é, a perseverança e a concórdia. Jesus tinha dito: orem sem cessar e sem cansar (cf. Lc 11,5-13) e, descrevendo a Comunidade em seus primeiros passos, ainda Lucas observa que “era um só coração e uma só alma” (cf. Atos 4,32-35). Temos dois importantes traços de como devemos viver o ser cristãos. Trata-se do mandamento novo: “Amem-se uns aos outros como eu amei vocês” (Jo 14,34).
Estas são as “maravilhas” que na Oração pedimos ao Pai: “realizai agora, no coração dos fiéis as maravilhas que operastes no início da pregação do Evangelho”. O Espírito vem em ajuda à Igreja para que continue sua missão: anunciar e testemunhar Jesus, vivendo na paz e na concórdia, na construção de uma sociedade em que as relações sejam impregnadas de amor. É esta a missão mais importante.
Então, refletimos hoje e avaliemos:
1) Eu, em minha vida (na família, no trabalho e nas relações humanas do dia-a-dia) sou testemunha de Jesus? Procuro ser construtor de paz, união e perdão?
2) Minha / nossa Comunidade (Igreja) é sinal e instrumento na construção de uma sociedade mais justa, humana e fraterna?
Lembremos que o teste da autenticidade de nossa fé passa pelos caminhos do testemunho corajoso, da oração sincera e íntima, do anúncio destemido, da presença transformadora, da teimosia do amor. O Espírito Santo, o Paráclito (= Aquele que é chamado junto de nós) nos proteja, defenda, ajude e acompanhe, hoje e sempre.
Dom Armando