4º DOMINGO DO ADVENTO


Meus queridos irmãos e irmãs, estamos celebrando o quarto domingo do Advento, e neste clima de espera já podemos ouvir os sinos da noite de natal ressoando em nossos corações, anunciando o nascimento daquele que vem para trazer paz e alegria aos nossos corações.  A liturgia deste domingo nos quer levar a refletir sobre um ponto de vista muito pratico.Qual deve ser o nosso agir enquanto aqueles que vivem e professa uma fé?quais são os sentimentos que Cristo deseja que tenhamos para a celebrar o Santo Natal. O nosso agir deve ser de quem se coloca ao lado dos mais necessitados, os marginalizados, os pobres e oprimidos. As leituras que ouvimos nosleva a refletir isso. A primeira leitura retirada do livro do profeta Miquéias, sugere que este mundo novo que Jesus, o descendente de David, veio propor é um dom do amor de Deus que é pura doação e entrega. A esperança de dias melhores e a vinda de um Messias que ira libertar o povo que se encontrava em meio a opressão e perseguição de poderosos é alimentada pelo profeta. A segunda leitura nos fala que a missão libertadora de Jesus visa o estabelecimento de uma relação de comunhão e de proximidade entre Deus e os homens. É necessário que os homens acolham esta proposta com disponibilidade e obediência procurando viver da melhor forma a fé que professa. O Evangelho nos aponta algumas pistas para reflexão, mas gostaria de deter aqui naquela que mais nos chama atenção para este período que um tempo propicio para revermos a nossa caminhada e o lugar que deve ocupar o outro em nossas vidas. Estamos acostumados tantas vez em apenas receber, desde quando nascemos recebemos muito de nossos pais, uns mais outros menos. Durante todo percurso de nossa existência recebemos bastante. Mas Na vida de um cristão não se pode acostumar apenas receber. Onde deve estar então a nossa alegria? A minha alegria maior deve estar no dar e no servir. E de onde tiramos isso? Basta ver nossa querida mãezinha do céu, que vai visitar a sua prima Isabel. Gravida, com dores, sofrendo tantas limitações próprias de uma pessoa que se encontrava em um estado de gravidez, vivendo também na fé, com um sofrimento interior indizível, não da para explicar em palavras os sofrimentos que Maria interiormente passava. Sem saber da segurança que seria sua vida, se José iria ou não aceita-la. Mas mesmo assim sai ao encontro de sua Prima Isabel e nos da aqui uma lição impressionante, a qual todo cristão deveria viver: não existe tempo para servir, para ajudar a quem necessita, devemos ajudar a quem precise em todas as ocasiões de nossa vida, seja em casa ou fora, seja no momento de alegria, seja no momento de dor, seja quando estamos passando por um consolo espiritual, seja nos momentos de secura espiritual. Deus nos dá à lição através de Maria. E o próprio Jesus depois na sua vida adulta confirma o gesto de Maria quando se entrega na cruz dando a sua própria vida para nos salvar, o maior gesto de entrega e doação total. Hoje em nossas vidas, o que prevalece? o dar ou o receber? Qual seria o nosso exame de consciência agora: quanto nos dedicamos a dar ou receber. Maria nos ensina a dar outro passo: ela não vai oferecer a Isabel um algo, mas um alguém. Ai esta a grande lição desta santa mulher, aquela que leva a esperança ao coração daquela pobre mulher que já se encontrava desesperançada diante de sua idade avançada e sem filhos. Somos chamados diante deste exemplo a levar aos corações de tantos homens e mulheres a esperança de vida mais feliz, do ressurgir de uma nova vida que renasce com cristo que vem para renovar a esperança de um mundo mais justo, fraterno e solidário. Que nesta semana final de preparação para o Natal, seja pura doação e entrega, para os nosso filhos, pais, avos, amigos, comunidades, servir com toda a totalidade do nosso ser. E que na celebração do dia 24, não espere receber, mas nos doar mais como presente oferecido a Cristo pelos demais. Que seja um ano de mais compromisso, para que o nosso próximo possa receber mais de nós. Que todos possam viver mais a realidade do serviço. Supliquemos a Maria, a Bem Aventurada, a nova Eva, a mulher que trouxe a grande misericórdia de Deus que em 2012 possamos dar mais que receber.

Sem. Marcelo de Jesus Pires