PALESTRA DE DOM ARMANDO NO SEMINÁRIO NACIONAL DE LITURGIA

Para comemorar os 50 anos da Sacrossanctum Concilium, aconteceu no início de fevereiro o Seminário Nacional de Liturgia. Entre os diversos nomes convidados esteve o de nosso querido bispo Dom Armando Bucciol. Ele palestrou sobre : A LITURGIA, MOMENTO HISTÓRICO DA SALVAÇÃO NAS CONFERÊNCIAS DO CELAM, EM MEDELLIN, PUEBLA, SANTO DOMINGO E APARECIDA.


Acompanhe a introdução da palestra:

Em sua palestra o prof. Andrea Grillo dizia que para acolher e entender o Concílio é preciso “elaborar
‘linguagens diferentes’ (O’Melley): o Concílio comporta uma conversão de linguagem que é,
talvez, a empreitada mais exigente para esta e as próximas gerações” e apontou “quatro coisas a não
serem esquecidas”, isto é, a) a liturgia é ação ritual, b) é experiência de comunhão, c) é tempo festivo /
doado, d) enfim é fons et culmen.
A partir dessas sugestões, analisei os Documentos das quatro últimas Conferências do Episcopado
latino-americano. O que estes importantes eventos eclesiais disseram no que se refere a
dimensão que estamos considerando, isto é, A liturgia qual momento histórico da salvação?
Falando a Cultores e Professores de Liturgia, dispenso-me de aprofundar conceitos. Minha colocação
pretende captar a ressonância conciliar nos Documentos das Igrejas do Continente, qual
proposta de recepção criativa e inculturada.
Observava ainda o prof. Andrea, que a recuperação do conceito de Liturgia (L.) como “continuidade
com a obra de salvação”, pede que se recupere, mais do que a noção teológica, “as condições
antropo-teológicas da sua verdade”. Neste sentido, as Conferências do Episcopado latino-americano
e caribenho, procuraram usar uma linguagem muito em sintonia com a vida e a história de nossos
povos. Essa dimensão histórica da salvação, que se fundamenta na Páscoa de Cristo, encontra sensibilidade
específica na leitura teológica e pastoral de nossos documentos.
Até que ponto as orientações dadas pelas quatro Conferências foram e estão sendo recebidas,
deixo à avaliação competente e experiente de todos. Com certeza, muito e positivamente se caminhou,
mas, também, longo caminho nos resta a fazer. Ainda mais que é-nos exigido muito cuidado
para não esquecer os passos dados e voltar atrás, ignorando o que nestes últimos decênios foi amadurecido
e conquistado.