C O N V I T E


Última etapa da ETeL em 2018

Está se aproximando mais uma etapa da ETeL. Esta última etapa de 2018 será estendida, iniciando-se
na quinta-feira. 

Nesta etapa, ainda, será realizado o lançamento do livro escrito pelo nosso Bispo e publicado pela CNBB.


ENCONTRO DA PASTORAL DA PESSOA IDOSA



Nos dias 09 a 11/11, aconteceu no Centro Diocesano de Livramento de Nossa Senhora, o encontro dos líderes da Pastoral da Pessoa Idosa das Dioceses de Livramento e Jequié e da Arquidiocese de Vitória da Conquista. O encontro teve por objetivo Capacitar os Coordenadores Paroquiais desta sub-regional. Dom Armando fez a abertura do encontro com a celebração Eucarística e a assessoria do mesmo ficou por conta das coordenadoras diocesanas: Marilda, Edna e Lúcia. Confira Fotos!
Maria Lúcia Machado
Coord. da PPI da Diocese de Livramento

32º Domingo Comum – Ano B

“Todos deram do que tinham de sobra, enquanto ela, na sua pobreza, ofereceu tudo aquilo que possuía para viver” (Mc 12,44)


Leituras:
1Rs 17,10-16
Salmo 145
Hb 9,24-28
Mc 12,38-44

Com um ensinamento surpreendente, Jesus desperta na multidão e em seus discípulos um olhar atento para o comportamento religioso e convida a cultivar a generosidade e o amor sincero pelos outros a partir da simplicidade. Jesus quer abrir os olhos dos seus seguidores para uma fé envolvente e autêntica, distante da hipocrisia e da vaidade dos doutores da Lei. Uma fé semelhante a fé da viúva cuja simplicidade de vida não impediu a doação generosa de tudo o que possuía.
Como discípulos e discípulas de Jesus não estamos imunes à tentação dos primeiros lugares nem ao perigo da ostentação religiosa diante dos outros. Corremos o risco de fazer da fé um adereço de elegância, isto é, um enfeite exterior que nada corresponde ao que realmente há em nosso coração, e que usamos somente para despertar atenção dos outros e receber elogios.
Não sejamos como os doutores da Lei. Eles eram intérpretes do Antigo Testamento e tinham enorme influência na vida povo. Faziam do saber um objeto de poder e exploravam as viúvas com uma piedade disfarçada. Julgavam dignos de respeito, mas preferiam o mundo das aparências e não a honestidade intelectual de aplicar na vida o que assimilava na mente.
Jesus critica severamente o comportamento religioso dos doutores da Lei por causa da vaidade e da hipocrisia na vivência da fé. Eles são o oposto daquilo que Jesus quer que seus discípulos sejam. Como Jesus quer que sejamos? “Para o discípulo, basta ser como o seu mestre” (Mt 10,25). É preciso ter cuidado para não deixar que o comportamento dos doutores da Lei se infiltre entre os seguidores de Jesus.
A maneira como a pobre viúva oferta sua esmola no Templo é um contraste à conduta dos doutores da Lei. A viúva é um exemplo profundo de fidelidade e entrega a Deus que devemos imitar. Semelhante àquela viúva de Sarepta que crê na promessa de Deus contida na profecia de Elias, a pobre viúva do evangelho crê que a oferta a Deus de tudo o que possui é a escolha coerente da sua simplicidade. Tanto a pequena quantidade de farinha e azeite quanto as duas moedas ofertadas são preciosas aos olhos de Deus.
A generosidade na simplicidade nos ensina a viver como o próprio Jesus. Ele “abaixou-se, tornando-se obediente até a morte, à morte sobre uma cruz” (Fl 2,8). Sua entrega a Deus como expressão de amor generoso e gratuito por nós é uma inspiração para nosso comportamento religioso autêntico. Precisamos abandonar a cobiça dos doutores da Lei e abraçar a generosidade da viúva.
Diante do cofre das esmolas, Jesus não observa a quantidade de dinheiro depositada, mas o modo como a oferta é feita. “Os homens veem com os olhos, mas o Senhor olha com o coração” (1Sm 16,7). A esmola da viúva era insignificante (duas moedas), mas foi vista por Jesus como uma doação total feita com muita fé. “Ela ofereceu tudo aquilo que possuía para viver” (Mc 12,44). Estamos dispostos a fazer o mesmo?
Marcos Bento
4º Teologia

Convite: Encontro para Leigos na Paróquia São Bento de Ibicoara


Juventude: Vicariato Nossa Senhora do Carmo prepara o DNJ 2018


Reunião do Conselho Pastoral Paroquial em Ibipitanga



No último dia 28 de outubro aconteceu em Ibipitanga a reunião do Conselho Pastoral Paroquial conduzido por Pe. Jucimar. Entre as pautas, foi falado da importância da preparação do ambiente para as celebrações dos sacramentos nas comunidades e passado recomendações sobre a liturgia, foi ressaltado ainda, a experiência o mês missionário em nossa diocese. Para concluir o encontro foi feito o estudo do documento nº 100 e partilhado em grupos. O CPP se encerrou as 11:30h da manhã. VEJA MAIS FOTOS.


PASCOM Nossa Senhora do Carmo

Seminaristas Propedeutas recebem visita.


“A vocação é um dom que deve ser motivado e executado com o coração" Jardel Paz

No início dessa semana o Diácono Adriano Bonfim fez uma visita aos seminaristas do ano Propedêutico que residem no Seminário São José da Diocese Caetité-Ba.

Com o aproximar do encerramento do primeiro ano de caminhada, é essencial essa presença, que cumpre o objetivo acompanhar, partilhar, avaliar as experiências do ano e dialogar sobre a nova etapa do discipulado.

AGENDA DO BISPO

NOVEMBRO 2018- I

Dia
Horas
Onde
Atividade
01
Manhã
Casa do Bispo
Atendimento
19.30
Paróquia Senhor do Bonfim – Boninal
S. Missa com Crisma
02
10.00
Comunidade Iguatemi - Taquari
S. Missa de Finados
17.00
Cemitério Livramento
19.30
Paróquia Santa Luzia – Ibipitanga
S. Missa com crisma (adultos)
03
Manhã
Casa do Bispo
Atendimento
18.00
Catedral

Celebração de Casamento
19.30
S. Missa
04
07.00
Paróquia Bom Jesus - Taquari
S. Missa
Dia
Casa do Bispo
Atendimento
Do dia 05 até o dia 08: Na diocese de Guarabira (PB): Encontro atualização litúrgica dos Padres
09
Manhã
Casa do Bispo e Cúria
Atendimento
Tarde
Casa do Bispo
Atendimento Casais
18.00
Centro Diocesano
S. Missa abertura Enc. da Pastoral P. Idosa Reg.Pastoral
19.30
Casa do Bispo
Encontro Crismandos adultos
10
Manhã
Casa do Bispo
Atendimento Casais
16.00
Comunidade Barreiros - Piatã
S. Missa com Crisma
19.00
Comunidade Salitre – Piatã
S. Missa com Crisma
11
07.00
Paróquia Bom Jesus - Taquari
S. Missa
Dia
Casa do Bispo
Atendimento
19.30
Paróquia Bom Jesus - Taquari
S. Missa
Dia 12 /11 até o dia 14/11: Itapuã (CTL) – Salvador: Encontro Bispos Regional NE 3
Dia 14/11: Itaici (SP): IV Semana Brasileira de Catequese

Solenidade de Todos os Santos


LEITURAS:  
Ap 7,2-4.9-14
Salmo 23 (24)
1Jo 3,1-3
Mt 5,1-12
      Caríssimo irmão, caríssima irmã, hoje nos alegramos com a comemoração de Todos os Santos. Essa tradição nos vem do início da Igreja, quando já no sec. IV celebravam em Antioquia todos mártires, no primeiro domingo depois de pentecostes, até que no ano de 835 o Papa Gregório IV transferiu esta festa para 1º de novembro, celebrando não somente os mártires, mas todos os chamados pelo Senhor a participarem de sua Bem-aventurança.
         É uma alegria para nós, podermos celebrar em uma única festa, a incontável multidão dos homens e mulheres que fazem parte da grande família do Senhor, pois, como nos lembra São Paulo, somos concidadãos dos santos e membros da família de Deus.É também isto que estamos celebrando, a unidade da Igreja, corpo místico de Cristo,a união entre os que cumprindo sua missão neste mundo partiram para a pátria definitiva com os que aqui estão, que somos nós, que caminhamos na fé e na esperança de um dia chegarmos a presença plena de Deus.
         A firme esperança nesta comunhão nos foi dada em Cristo, que veio reunir num só povo e em seu amor todos o que estavam dispersos, vivos ou mortos, pertencemos a Cristo, recebemos a graça de participar da Santidade daquele que é três vezes santo. Somos chamados cada dia a santidade, a participarmos das bem-aventuranças,através de uma vida cheia de sentido e que ajuda o outro a encontrar sentido para sua vida. No entanto, a santidade aqui não pode ser reduzido a um fator ético, a um bom comportamento, pois a ética é a tomada de consciência do que foi recebido antes, do dom de Deus em nossa vida, que nos capacita a nos comprometermos com ele, a santidade passa pela gratidão daquilo que o Senhor já conquistou para nós, a gratidão por ele já nos ter aberto as portas da santidade. Se não tomarmos consciência disso podemos cair num moralismo, achando que a santidade é a vivencia de regras morais, quando na verdade, a ética apenas reflete a santidade.
         A santidade por sua vez deve vir de dentro, é uma transformação interior que nos põe cada vez mais na presença de Deus, nos tornando plenamente humanos e sensíveis aos anseios e necessidades humanas dos nossos irmãos e irmãs. Deste modo, estaremos dando sempre nosso sim a maravilhosa graça que recebemos, de sermos chamados filhos de Deus e, não serão as quedas tropeços que damos ao longo de nossa caminhada que nos privará de participa de tal grandioso dom, que nos foi dado em Jesus Cristo, mestre e modelo de toda santidade.

Sem. Max Sabrino R. Vieira