26 de agosto de 2015

PARÓQUIA DE NOSSA SENHORA DO CARMO CELEBRA SEMANA DA FAMÍLIA

Na noite de 14 de agosto,  na Paróquia de Nossa Senhora do Carmo, em Érico Cardoso, aconteceu a Celebração Eucarística, na qual se encerrou a XX Semana Nacional da Família. A temática da Semana foi: “O amor é a nossa missão: A família plenamente viva”. As celebrações se iniciaram no domingo (09), dia dos pais, com a missa na Igreja Matriz. A celebração de encerramento coincidiu com a Solenidade da Vigília da Assunção de Nossa Senhora, que foi a mais importante mãe de família, a mãe da Sagrada Família de Nazaré, quando disse seu Sim a Deus. Ao final da Celebração, foram distribuídas lembranças, e o Padre Idérico Santana abençoou todas as famílias, em especial os casais, que compareceram em grande número, e firmou o compromisso de continuarmos fazendo a diferença como Pastoral Familiar, juntamente com as demais Pastorais, tanto na vida familiar, como no trabalho, na comunidade e na Festa do Senhor.


Jairton Carlos Vieira
Coordenador Paroquial da Pastoral Familiar


25 de agosto de 2015

O PRÍNCIPE, A ARTE DE GOVERNAR NO PENSAMENTO DE MAQUIAVEL

A obra “O Príncipe” do filósofo político italiano Nicolau Maquiavel, como o mesmo descreve, é uma carta direcionada ao magnifico Lorenzo de Medici, como um presente da mais alta estima e devoção. A obra é composta por vinte e seis capítulos, tendo como tema a melhor maneira de governar politicamente um reino confiado aos domínios do príncipe, para assim, manter uma organização da sociedade como um todo a ele confiada.
Na concepção política de Maquiavel, o Estado deve ser visto como ele é e não como gostaríamos que ele fosse. No decorrer do escrito, o autor discorre sobre os vários tipos de estados e como os mesmos são instituídos.
Maquiavel buscou apresentar no começo da obra, os tipos de governos/reinos, e bem como os seus governantes/administradores submetiam os seus subordinados, descrevendo as causas oriundas das práticas adotadas pelos mesmos, para governar e manter o poder, ao mesmo tempo em que aponta as causas pelos quais muitos conseguiram manter, outros adquirirem e até mesmo perderem seus impérios. O autor demonstra que o poder alimentado pelos nobres/ricos tem menores chances de manter-se por muito tempo, já aquele que se alimenta do apoio dos menos favorecidos, que constituem a maioria, tem maior probabilidade de seguir adiante, sendo pois, mais duradouro e eficaz, alegando ser o primeiro, mais ambicioso, já o segundo, ter desejos em comum e mais honestos.
O autor apresenta um questionamento “será preferível ser amado ou temido?” Sendo assim, será preciso que o príncipe não esteja temeroso ao ser considerado cruel mediante suas atitudes, pois o mesmo visa o bem estar e a paz em meio ao seu povo. Maquiavel afirma que é preferível ser temido que amado, pois não se pode com facilidade ser as duas coisas ao mesmo tempo. Ele afirma que para o príncipe é preferível evitar o desprezo e o ódio, buscando na grande massa popular a estima de seus subordinados e não a discórdia, pois o maior requisito na administração do seu reino, será a tentativa de evitar qualquer ameaça ou conspiração contra o seu governo. Quando é estimado pela maioria, o príncipe estará livre de grande problemas e preocupações, caso contrário, enfrentará um grande dificuldade.
Findando sua obra, o autor discorre sobre o uso da sorte na condução do poder, sendo que aquele, que direcionar totalmente ao controle do destino corre o risco de colocar tudo a perder, sabendo que o tempo sofre alterações, cabendo ao príncipe estar atento às mudanças ocorrentes, sempre atento às necessidades advindas do tempo vivido, e de nenhum modo, faça-se oculto à realidade. O filósofo político apresenta um apelo em favor da libertação da Itália, que estava dominada pelos Bárbaros, onde menciona: “agora, quase sem vida, a Itália aguarda quem possa curar suas feridas... pede a Deus que lhe envie quem for capaz de libertá-la dessa insolência, dessa bárbara crueldade”. 
Toda a obra, apresenta um modelo de governo, onde o autor busca de maneira justificada expor os estilo de liderança dos príncipes, destacando suas eficácias e falhas, acerca de seus governantes. A princípio a obra é tida como um presente a ilustre família Medici, mas no decorrer do texto, pode-se observar nas entrelinhas, o desejo elevado do autor, em apresentar sua visão e ao mesmo tempo o desejo de que a Itália seja libertada do domínio dos Bárbaros, e que toda a pátria possa brindar sua vitória e libertação tão almejada por cada italiano, e que a família Medici com toda a coragem e bravura assuma este encargo.

Élcio Bonfim
2º Filosofia






23 de agosto de 2015

AGENDA DO BISPO




Mês de AGOSTO DE 2015 - II

Dia
Horas
Onde
Atividade
21
19.30
Paróquia Senhor do Bom Fim – Rio do Pires
S. Missa 7º dia da morte de Pe. Jacques
22
Manhã
Casa do Bispo
Atendimento
18.00
Paróquia São Sebastião- Ibiassucê (Caetité)
Ordenação diaconal de seminarista Ademilson
23
09.00
Comunidade Estocada (Catedral)
S. Missa
19.30
Paróquia Bom Jesus -Taquari
S. Missa
24
Até o dia 26: Diocese Serrinha (BA)
Encontro Bispos Regional NE3
27
Manhã
Casa do Bispo - Cúria
Atendimento
19.30
Comum. Cinguí - Catedral
S. Missa
28
19.30
Paróquia Senhor Bom Jesus -Piatã
S. Missa no anivers. de ordenação Pe. Cláudio
29
Dia
Centro diocesano
Encontro vocacional
19.30
Comunidade Caraíbas – Paramirim
S. Missa
30
07.00
Centro diocesano
S. Missa
08.30
Com Vocacionados - Palestra
31
17.30
Casa do Bispo
Encontro Crismandos

22 de agosto de 2015

MATRIMÔNIO 12

      Terminados os ritos iniciais, entramos na Liturgia da Palavra. O Lecionário propõe  28 leituras dentre as que “exprimem mais peculiarmente a importância e a dignidade do Matrimônio no mistério da salvação” (n. 56).
      Basta uma rápida olhada às leituras propostas, para colher a teologia do Matrimônio nelas contidas, que a Palavra desenvolve ao longo da História da Salvação.
      Os dois textos de Gênesis (1,26-28.31a e 2,18-24) destacam o projeto inicial do Senhor ao criar homem e mulher. A Bíblia acolhe a existência de ‘humano’ e ‘humana como intrínseca no plano de Deus’, algo muito profundo, alicerçado nas exigências mais íntimas da pessoa. O amor brota de uma sensação de vazio e incompletude que ‘adão’ experimenta. O domínio ‘sobre os animais de toda a terra’ (Gn 1,26) é insuficiente para se sentir feliz, ele, ser de barro, sobre o qual o Senhor ‘soprou’ seu hálito vital. Por isso, continua o segundo relato da criação, Deus decide dar ‘uma auxiliar semelhante a ele’. No sono profundo de Adão, da ‘costela tirada’ – diz Gn com linguagem simbólica e sapiencial – aparece a ‘auxiliar’. Com profundo intuito antropológico, Gênesis reconhece que cada pessoa é um presente de Deus para com a outra, e chamada a viver com igual dignidade, em atitude de colaboração. Essas são as bases para construir uma relação humana verdadeira, capaz de enriquecer os dois e dar-lhes alegria.
      Encontramos mais uma página do livro do Gênesis (24, 48-51.58-67). Conta como Labão, servo de Isaac, foi escolher Rebeca para ser a esposa do seu senhor. Dentro dos costumes do mundo antigo, tudo acontece seguindo a vontade de Deus e tudo procede debaixo do olhar amoroso e da bênção divina. Por isso, tudo caminha para o bom término.
      Para a mentalidade atual e a cultura em que vivemos, essas histórias podem parecer bonitas, mas muito distantes e até contrárias aos valores que hoje em dia fundam as relações afetivas. Com certeza, nem tudo pode ser recebido ao pé da letra. È oportuno, porém colher os elementos essenciais da antropologia bíblica, isto é, os valores de religiosidade e fé, que levam a reconhecer que tudo é dom de Deus e, portanto, a viver as relações humanas em atitudes de agradecimento para com Ele e na colaboração e no respeito um para com o outro.
      O casal que celebra seu amor ‘no Senhor’, acolherá, assim de maneira coerente o que dirá a ‘bênção nupcial’: “O amor e a paz permaneçam no coração da esposa, e ela busque o exemplo das santas mulheres, exaltadas com louvores nas Sagradas Escrituras. Nela confie o seu marido; e saiba honrá-la com a devida estima, reconhecendo-a companheira e co-herdeira da vida divina e amando-a com aquele amor com que Cristo amou a sua Igreja”.
      A linguagem da liturgia, provinda de uma cultura diferente da nossa, afirma com clareza o que a Palavra propõe e que hoje – e constantemente – precisamos recuperar e viver, em qualquer contexto e situação, na reciprocidade e na fidelidade. Assim, o amor tornar-se-á maduro e sólido e capaz de superar os desafios da vida.

Dom Armando

19 de agosto de 2015

AS PARÓQUIAS DA CATEDRAL E DO TAQUARI CELEBRAM SEMANA DA FAMÍLIA

Devido às festas do Bom Jesus do Taquari e de Nossa Senhora do Livramento, que acontecem de 28 de julho a 15 de agosto, a Semana da Família nessas duas Paróquias é celebrada em conjunto (porém, em data diferente da celebração nacional), de 23 a 29 de agosto. Veja, abaixo, a programação, sempre às 19:30h, confirma o Pe. Ademário Ledo.

18 de agosto de 2015

PRESENÇA E DEVOÇÃO DE MILHARES DE FIÉIS FAZEM A FESTA DE NOSSA SENHORA DO LIVRAMENTO


Há 300 anos os bandeirantes trouxeram a barroca imagem de Nossa Senhora do Livramento, e com ela a devoção à Santíssima Virgem, já existente em Portugal, para o núcleo populacional onde hoje é Livramento de Nossa Senhora. Neste ano, com uma programação especial, a Paróquia de Nossa Senhora do Livramento recordou este grande feito em favor da fé Cristã, realizando a tradicional “Festa de Agosto”, sendo por primeiro realizado o novenário, bem organizado, muito concorrido e abundantemente solene, contando com a presença de padres da nossa Diocese e de fora dela, que, além de presidirem as Santas Missas, refletiram o tema proposto à festa que foi “a SS. Trindade na vida dos cristãos”, em suas palavras sempre inserindo Maria como aquela que, sendo a primeira cristã, acolheu o projeto salvífico de Deus em sua vida, colocando-se a serviço do mesmo, fazendo-se discípula e missionária. O dia 15 foi marcado por uma sequência de celebrações dignas da efeméride, sendo a população despertada pela alvorada, depois, às sete da manhã, foi celebrada a santa Missa, antigamente denominada de “Missa paroquial”. Às dez horas foi iniciada a Missa solene presidida pelo Sr. Bispo diocesano, assistido pelo diácono Weverson Almeida Santos e ladeado por 14 sacerdotes, entre eles o Mons. Pedro Olímpio dos Santos (vigário geral da Diocese) e Pe. Ademário da Silva Ledo Filho (pároco da catedral). Às 17 horas, uma longa e solene procissão saiu da catedral, acompanhada pela lira dos artistas de Rio de Contas, subindo até o hospital municipal. Logo na Praça 06 de outubro várias crianças embelezavam aquele espaço, todas elas vestidas de personagens da história da salvação. Na medida em que avançava avenida acima, a procissão ia contagiando os fiéis que encontravam em frente ou nas sacadas das casas, várias delas enfeitadas para a ocasião. Alcançando o hospital, começou-se o retorno pela avenida Dr. Nelson Leal e depois pela Dr. Edilson Pontes. 
Nos primeiros instantes da noite, alcançou-se o bairro “Tomba”, onde a comunidade com cantos, vivas, faixas, cartazes e outras demonstrações de devoção, aguardava os que vinham conduzindo a imagem da Senhora do Livramento, que foi saudada com uma salva de fogos por uns 10 minutos. De volta à catedral, marcada pelo respeito à presença real do Senhor e participação de inúmeros fiéis, foi realizada a solene e costumeira Adoração e Benção do SS. Sacramento, encerrando o memorável dia com uma segunda explosão de fogos de artifícios, que embelezou a Praça Dom Hélio Paschoal com luzes e cores de muitos tons. Resta-nos, doravante, o empenho para que os 300 anos celebrados tenham continuidade pela via do testemunho e da defesa da verdadeira fé. À coragem que nos é necessária temos, imediatamente abaixo de Deus, a ajuda daquela que os primeiros nos ensinaram a chamar de Nossa Senhora do Livramento.  CONFIRA AS FOTOS DA ÚLTIMA NOVENA E DA CELEBRAÇÃO DA FESTA!
Pe. Rinaldo Silva Pereira
Chanceler do Bispado

AGRADECIMENTOS!

Paróquia de Nossa Senhora do Livramento
Festa da Padroeira Nossa Senhora do Livramento
1715 – 2015
300 anos de Fé e Evangelização

Em nome do Conselho Pastoral Paroquial e do nosso Pároco Pe. Ademário, peço licença a Dom Armando, presidente desta celebração, para fazer os necessários agradecimentos. Confesso, tentei fazê-los da forma mais sucinta possível, mas não consegui; portanto, peço um pouco da paciência de todos.
Ao senhor, Dom Armando, agradecemos pela presença, pela bela celebração, pelos seus ensinamentos. A Nossa Senhora, agradecemos a graça de tê-lo como nosso Pastor.
Aos padres aqui presentes, assim como aos que participaram desta festa, na celebração do novenário, nosso carinho, nossa amizade e nosso muito obrigado. (Clique aqui e Leia na íntegra os agradecimentos)




Duas Faces distintas: Aristóteles e Maquiavel

Aristóteles foi um grande pensador antigo, ao qual dá ao homem seu conceito humano que ele mesmo coloca como “duas partes distintas” (metodicamente) que formam o ser em seu pleno conceito. Todo homem sumamente bom, possui um corpo e uma alma e nesta está à razão e o desejo, sendo então o intelecto a parte superior da alma, onde o corpo privado da razão deve obedecer. Ele divide as virtudes em: intelectuais e morais. Sendo que esta primeira nasce e progride da graça do intelecto da própria experiência. Já a virtude moral ela independe do nosso querer, para o filósofo o nosso caráter moral é formado a partir das repetições de nossos atos, é o próprio hábito. Portanto, é através do hábito que nos tornamos virtuosos. Na Política, Aristóteles afirma que a música deve fazer parte da infância da criança para contribuir na formação do caráter. Para ele, a música é o primeiro prazer natural. É à disposição de caráter (a virtude) que o torna bom e faz desempenhar bem a sua “função” que é a atividade conforme o intelecto. É na atividade cotidiana até rotineira que todos nos tornamos virtuosos de alguma forma.  Toda esta virtude se dá por meio da polis que é o lugar privilegiado do ser humano.
Em sua principal obra, Maquiavel cita conceitos de virtu e de fortuna que deve ser a condição sine qua non do político ou governante, por que a capacidade de si manter no poder são as qualidades do político; e dentre estas, estão à qualidade da retórica pública, tento a capacidade de criar e manusear regras para o próprio bem da sociedade.
Maquiavel fala que o poder não apenas depende do destino ou que este já nasce com o político, mas depende da astúcia dentro de uma sociedade que o respeite, temesse e o amasse. Ele inova a política numa ética própria, colocando o homem como responsável por seu sucesso através não só de sua força, mas também de sua astúcia.
Com isso, Maquiavel deixa de ser sinônimo de bondade para tornar-se astúcia e destreza pessoal, sendo que somente com a junção de virtu e fortuna, um príncipe seria capaz de manter-se no poder conquistado, podendo incorrer em defeitos se isso fosse preciso para a manutenção de sua soberania, devendo, para tanto, ser guiado pela necessidade e não pela moralidade vigente.
Por fim, a nova ética analisa as ações não mais em função de uma hierarquia de valores dada a Priore, mais sim, em vista das consequências, dos resultados da ação política. Trata-se aqui de critérios de avaliação do que é útil a comunidade. Para Maquiavel a moral não deve orientar a ação política, segundo normas gerais e abstratas, mais a partir do exame de uma situação específica e em função do resultado que ela promove, sendo que a política visa o bem do grupo e não de um indivíduo isolado.    
Com Aristóteles, a vida moral e política tem uma ligação indissolúvel no que tange as questões de bem governar, do regime justo, da cidade boa depende do bom governante. Em decorrência disso, o bom governante deve ter a virtude da prudência, pela qual será capaz de agir visando o bem comum e a felicidade de todos os indivíduos.  

Pablo Dourado
3º Filosofia








17 de agosto de 2015

ASSEMBLÉIA PAROQUIAL EM ABAÍRA


Aconteceu neste domingo, 16, a Assembléia Paroquial, na Paróquia Nossa Senhora da Saúde de Abaíra, na Capela de São Sebastião. Houve o estudo do Subsídio da Assembléia Diocesana 2015, tendo trabalhos em grupos divididos por setores e com partilhas. A tarde elegeu a nova coordenação do CPP. O encontro percorreu durante o dia, terminando às 16:00 horas com a Santa Missa na Matriz. Veja as fotos! 

SEMANA DA FAMÍLIA NA PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA SAÚDE DE ABAÍRA

De 09 a 15 de agosto, na Paróquia Nossa Senhora da Saúde de Abaíra, as famílias se reuniram na Capela de São Sebastião, para celebrar a Semana Nacional da Família, com a temática “o amor é a nossa missão: A família plenamente viva”. No decorrer da semana houve a presença de Pe. Renato Aguiar, o casal Juliana e João Paulo da comunidade de Ouro Verde, o casal Verônica e Rafael de Abaíra e o Pe. Samuel Neves Silva, que abordaram sobre os temas do dia, dando vários conselhos e exemplos de convivência em família. Encerrando no dia 15 com o Pe. Marcelo de Jesus Pires que falou sobre “Igreja, mãe e mestra: Vida e missão da igreja  doméstica”, tendo a presença de Diola Miranda, presidente do Centro Referencial da Mulher, que enfatizou o tema: Violência doméstica. E os casais presentes receberam a benção. Confira as fotos!

SEMANA DA FAMÍLIA EM PIATÃ - QUARTO DIA


Na última quinta-feira(13), o Pe. Samuel Neves conduziu a reflexão da Semana Nacional da Família na Paróquia do Senhor Bom Jesus de Piatã, sobre os frutos do amor na família e na vida consagrada. A cada noite os encontros estão mais participativos e interessantes. No final do encontrofoi dada a benção para as pessoas idosas da comunidade. Mais fotos!

CELEBRAÇÃO DA SEMANA DA FAMÍLIA NA COMUNIDADE DE ITAPICURU - DOM BASÍLIO









Na Semana Nacional da Família(9 a 15), a comunidade do Sagrado Coração de Jesus em Itapicuru - Dom Basílio, contou com uma programação que envolveu os casais da comunidade e as comunidades da redondeza. A cada noite uma nova reflexão e com dinâmicas que favoreciam o envolvimento de todas as famílias. Além dos coordenadores do grupo de casais, o Ir. Edmundo colaborou com as palestras. Um momento de confraternização e cafezinho marcava o encerramento a cada noite. CONFIRA!

CELEBRAÇÃO EM MEMÓRIA DO PADRE JACQUES


No último sábado (15), às 19:30h, na Igreja Matriz da Paróquia do Senhor do Bonfim de Rio do Pires, Dom Armando presidiu a celebração em memória do nosso querido e amado Pe. Jacques Marie Michel Yvon Schvartz, que retornou aos braços do Pai, conduzido pela mãe do Livramento, que ele tanto venerava.
Grande número de fiéis, comovidos, participou da celebração e, alguns puderam dar testemunho da importância do Padre Jacques na Paróquia e em suas vidas; da humildade, simplicidade e dos grandes feitos realizados por ele como missionário zeloso, diretor espiritual, homem de caridade e bom pastor, a exemplo de Jesus Cristo.  Na homilia, Dom Armando, emocionado, falou do padre Jacques como um querido amigo, um homem que tentou viver as bem-aventuranças aqui na terra e, agora, retorna para Deus, deixando um grande legado de humanidade, fé, bondade e amor.
Dom Armando convidou a todos para continuar firmes e fortes na caminhada, colocando em prática os ensinamentos do Evangelho, que o Padre Jacques ensinou e viveu. Ele avisou que, nestes dias, em toda a diocese, o Padre Jacques será lembrado nas missas e, sobretudo, na Paróquia de Senhor do Bonfim de Rio do Pires, que terá a seguinte programação: Missas: Domingo (16); Segunda-feira (17), sempre às 19:30h. 
   O Padre Jacques será sepultado na França, na próxima quarta-feira, às 10:00h da manhã, quando no Brasil serão 5:00h da manhã. Como não poderemos participar do seu  funeral na França, somos convidados a acompanhar esse momento com nossas orações e afeto. Na Matriz de Rio do Pires haverá celebração nesse mesmo horário. 
      Na próxima sexta-feira (21), às 19:30h, haverá a Missa de sétimo dia, presidida pelo nosso bispo Dom Armando.  Todos estão convidados. Clique aqui para ver as fotos.

16 de agosto de 2015

ÚLTIMA NOITE DO NOVENÁRIO É CELEBRADA NA CATEDRAL

Concluindo uma caminhada de nove dias repleta de muita oração, fé, devoção e entusiasmo, foi celebrada, no dia 14, a última novena em preparação à Festa de Nossa Senhora do Livramento. Com a liturgia da Vigília da Assunção de Nossa Senhora, a presidência ficou por conta do Pe. Washington, Pároco de Maracás, Diocese de Jequié. Em sua homilia, fazendo uso de uma oratória que deixou a multidão encantada, o Pe. Washington falou da importância de Maria na história da salvação, e ressaltou a importância da gratidão, dizendo que um povo que não sabe ser grato é um povo que não enxerga os valores expressos pelos irmãos; falando dos 300 anos, também disse que um povo sem memória é um povo sem história, isso num contexto mais amplo, que deixou todos atentos, pois sua homilia foi muito profunda e marcante. Ao final, o Pe. Ademário prestou as últimas homenagens, chamando mais algumas pessoas para a entrega da lembrancinha. Dessa forma, concluiu-se o último dia do novenário, já com grande expectativa para o dia da festa.
Pe. Ademário da Silva Ledo Filho
Pároco da Paróquia de Nossa Senhora do Livramento

15 de agosto de 2015

Pe. Jacques responde ao derradeiro chamado de Deus

Enquanto desdobrávamos os últimos instantes da Festa de Nossa Senhora do Livramento, no adro da Catedral, chegou-nos a notícia do falecimento do Pe. Jacques Marie Michel Yvon Schvartz, às 14h00 da França, 17h00 do Brasil. O anúncio foi feito e o sentimento de comoção tomou a todos que ali estavam, o que era de se esperar, sobretudo porque o Pe. Jacques significa muito à história da nossa Diocese, que ele ajudou a construir com suas palavras e também com o testemunho de vida. Mas a festa foi concluída com tranquilidade, porque entendemos ser a vida do Pe. Jacques um constante louvor a Deus que continua na eternidade. Neste momento de dor e separação recordamos tantos benefícios que ele causou a esta Igreja particular e elevamos a Deus nossas orações e agradecimentos por sua vida, por sua dedicação de mais de vinte anos nestas terras em ocasiões mais difíceis que as atuais. Bendito seja Deus pela coragem, pela firmeza, pela simplicidade, pelo anúncio destemido do Evangelho que Pe. Jacques fez, entregando sua vida ao povo de Deus, sobretudo na Paróquia de Rio do Pires.

Pe. Rinaldo Silva Pereira

- Chanceler do bispado -