Dom Armando participa de reunião da Comissão de textos litúrgicos (CETEL)

      Dom Armando, além de pastor de nossa diocese, é também o Presidente da Comissão de Textos Litúrgicos (Cetel) da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), desde terça-feira(23), ele esteve reunido com essa comissão, na sede da Conferência dos bispos, em Brasília (DF), para dar continuidade ao trabalho de acompanhamento e aprovação da revisão do missal romano. Além do nosso bispo, participou dessa reunião dom Aloísio Dilli; dom Geraldo Lyrio Rocha; dom Manoel João Francisco, padre José Weber e frei Faustino.
      A revisão da tradução atende a uma ordem vinda da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos através da quinta instrução Liturgiam Authenticam, de 2001, que serve de comentário sobre as traduções em língua vernácula dos textos da liturgia romana. Outro cuidado é com a linguagem poético-musical. 
      Segundo frei Faustino Paludo, assessor da Comissão Episcopal Pastoral para a Liturgia da CNBB, as Conferências Episcopais de todo o mundo estão se dedicando ao mesmo trabalho. De acordo com ele, a Conferência do Brasil já está bem adiantada no quesito, uma vez que a Cetel já está revendo a tradução da terceira edição do missal.
    Nesses dias, os assuntos da pauta foram vários: discutiram os assuntos que foram levados para apreciação na 55ª Assembleia Geral da CNBB, ocorrida no mês de abril, em Aparecida (SP), entre eles, a aprovação das missas rituais, àquelas que estão unidas à celebração de alguns sacramentos e sacramentais. Dentre outros assuntos. 
Fonte: cnbb.net.br

GESTOS E PALAVRAS NA LITURGIA

17. ÁGUA UNIDA AO VINHO

Hoje queremos analisar um gesto muito simples e muito antigo que acontece na celebração da Eucaristia. Refiro-me à mistura da água e do vinho que acontece no momento da apresentação das oferendas. Seu sentido teve longa evolução e diferentes interpretações.
Na Instrução Geral do Missal Romano (n.142; cf. n. 178) se lê: “De pé, ao lado do altar, (o sacerdote) derrama vinho e um pouco de água no cálice, enquanto o ministro lhe apresenta as galhetas”. Em silêncio, o sacerdote diz: Pelo mistério desta água e deste vinho possamos participar da divindade do vosso Filho, que se dignou assumir a nossa humanidade.
Antes de tudo, é preciso recordar que, antigamente, pelo fato do vinho ser muito forte, de costume, se misturava com água. Por isso, com boa razão, podemos pensar que Jesus tenha misturado a água ao vinho e que esta praxe tenha continuado na celebração da eucaristia desde o início.
Pelos meados do II século, o filósofo São Justino escreve: “Então, é levado ao preposto dos irmãos um pão e um cálice de água e vinho temperado”. São Cipriano, um século depois, explica: “Com a água, entende-se o povo, no vinho se manifesta o Sangue de Cristo. Quando no cálice se mistura a água ao vinho, o povo se une a Cristo, e o povo dos crentes se une com Aquele no qual acreditou. Essa união da água e do vinho dá lugar a uma mescla no cálice ao ponto que não se pode separar entre eles. Por isso, nada poderá separar a Igreja do Cristo... Se se oferecer só vinho, o Sangue de Cristo está sem nós; se tiver só água, o povo está sem Cristo”. O santo bispo de Cartago queria defender a necessidade de celebrar com água e vinho, contra um grupo (de heréticos) que tinham excluído o uso do vinho da celebração eucarística.
Essa motivação é, sem dúvida a principal e a mais atendível, de um ponto de vista histórico, aceita também por Santo Tomás e pelo Concílio de Trento.
Ao longo da história, encontramos, desde a antiguidade, também outras interpretações da água unida ao vinho. No tempo da heresia ariana, serviu para destacar a união das duas naturezas de Cristo, a divina e a humana; na Idade Média, alguns teólogos unem esse gesto às palavras de são João (19,34), quando afirma que água e o sangue saíram do lado de Cristo traspassado pela lança.
É significativo o fato da oração ser feita em silêncio, para que, observa um liturgista (Roguet) “gestos puramente funcionais que precedem ou seguem a liturgia eucarística não adquirem aos olhos dos fiéis a mesma importância das ações sagradas”.
Desejo que, conhecendo origem e sentido desse gesto, todos participem da Eucaristia com maior intensidade espiritual.
Dom Armando

ENCONTRO DE COROINHAS DO VICARIATO NOSSA SENHORA DO LIVRAMENTO

Na manhã do último domingo, dia 21, no Centro Diocesano, reuniram-se alguns coroinhas das Paróquias Nossa Senhora do Livramento (Catedral), Senhor Bom Jesus (Taquari) e Santíssimo Sacramento (Rio de Contas) com o Coordenador Diocesano, Padre Weverson. O encontro teve por objetivo a partilha das experiências de serviço, de convivência e também as dificuldades encontradas pelos grupos. Houve formação sobre o sentido espiritual da liturgia e orientações do coordenador, que também buscou atualizar os dados de cada grupo. 

Veja as fotos clicando aqui


Formação Catequética na Comunidade de Ibipitanga

No último domingo (30/04) pela manhã, a equipe de coordenação da Pastoral de Catequese de Ibipitanga, Luciene (coordenadora), Daniele, Cléia e Sérgio, visitaram a comunidade de Castanhão I (setor São João, da paróquia) para trazer uma formação-base a respeito do "ser catequista" e os meios para se atingir os objetivos. Foi um encontro proveitoso onde foram apresentados os principais problemas na catequese da comunidade e meios para serem resolvidos. Confira as fotos.

Festa da Divina Misericórdia em Ibipitanga


A DIVINA MISERICÓRDIA: ÚLTIMA TÁBUA DE SALVAÇÃO

Neste último final de semana, 22 e 23, aconteceu na paróquia de Ibipitanga mais um encontro espiritual a Jesus Misericordioso. Organizado pelo grupo do terço da Divina Misericórdia, contou com a presença do Ministério de Música SERVOS DE MARIA, sendo eles: Manoel, Jarlisson, Maycon, Joao neto, Larissa e Tayná. E os pregadores: Paulo Trentin e Salvador Maria. Todos vindos de Caetité - BA. Iniciado no sábado à tarde, estendendo-se até a noite e continuando no domingo pela manhã até às 12h chegando ao término. Grande experiência intensa com a Misericórdia Divina que nos arranca das amarras do pecado e de todo mal. Veja as fotos.

Pascom Nossa Senhora do Carmo

6º Domingo da Pascoa - Ano A

LEITURAS:
At 5-8.14-17
Sl 65
1Pd 3,15-18
Jo 14,15-21
          Queridos irmãos e irmãs, nossa caminhada pascal já vai bem adiantada, ao longo destas cinco semanas que se passaram, fomos sendo introduzimos no mistério da ressurreição, em cada leitura e de modo especial nos Evangelho partilhados,  observamos a experiência dos primeiros que abraçaram a fé no Ressuscitado,  neste sentido, quando falamos de mistério, não estamos falando de algo que está oculto, velado, ou que seja inútil buscar conhecer, mas antes, estamos falamos de um dom inesgotável, que sempre nos surpreende, com o qual podemos fazer sempre um nova experiência. Portanto, buscar conhecer esse Jesus ressuscitado, que se manifestou aos seus discípulos, será sempre um mergulho nesta bela experiência e na bem aventurança de crer, mesmo sem termos visto!
          Hoje, já entramos em clima de Pentecostes, Jesus faz aos discípulos um discurso de despedida, no qual, ele promete à comunidade reunida, sinal marcante de sua presença, o Espirito Santo, que passa a ser conhecido de uma modo mais amplo com que era conhecido no Antigo Testamento. O Espirito prometido, não é apenas o hálito humano, seu princípio divino, mas, é aquele que habita, que é enviado e que vem, é aquele que ora em nós, e como falam muitos teólogos: “é o amor do Pai e do Filho, constituindo uma entidade, um modo de ser de Deus”, ou seja, é o grande amor que garante a perfeita unidade, frente a nossa tendência de tudo querer dividir e separar.
          Muitas vezes, ouvimos que o Espirito é luz que ilumina as mentes e força que impulsiona a agir, porém, não nos bastaria luz e a força, somos necessitados de um consolador, nosso coração inquieto anseia muitas vezes por conforto, em meio a solidão, a
o cansaço, ao futuro amedrontador e a falta de confiança. Esta consolação nos foi dada primeiramente através de Jesus Cristo,o Dom do Pai, que passou consolando todo sofrimento, chamando-nos assim, a sermos exemplo de consolação, a darmos continuidade nesta missão da qual ele é princípio. E hoje, nós recebemos de Cristo este outro grande dom, o “Perfeito Consolador” que é enviado aqueles que se mantem em união.
          Cabe a nós nos perguntarmos: “E nós, que devemos fazer?” ora, Se o Espirito tem o nome de Paráclito, ou seja, aquele que acorre em defesa, ele é também aquele que é chamado a defender os que buscam consolação, devemos, portanto, recorrer incessantemente a esta fonte inesgotável de consolação. Recorremos tantas vezes a outras fontes, que não são capazes de nos confortar de maneira plena, esperamos muito da consolação humana, que sendo limitada não poderá nos completar de maneira duradoura ou eterna.
          Neste sentido, somos chamados a receber, na humildade e não na autossuficiência este grande Bem. Como nos diz São Paulo, Deus nos conforta em nossas tribulações, para que pela consolação com que somos consolados, possamos consolar os que estão em qualquer angustia. Pois, se ele, o Espirito Santo, permanece junto a nós edentro de nós, devemos também ser paráclitos, assumindo esta função, de consoladores e defensores uns dos outros, ajudando a minorar tantas dores, aliviar as aflições, confortar as tristezas, dissipar os medos e a solidão. Fazendo assim, chegaremos cada vez mais próximos do perfeito amor, com que Cristo nos amou, amor desmedido e despretensioso, guardaremos sua palavra, e ele virá habitar em nós, e nos fará participar de sua vida e de sua perfeita unidade com o Pai e o Divino Espirito.

Max Sabrino

Nota da CNBB sobre o Momento Nacional

Pela Ética na Política

“O fruto da justiça é semeado na paz” (Tg 3,18)
      A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, por meio de sua Presidência, unida aos bispos e às comunidades de todo o país, acompanha, com espanto e indignação, as graves denúncias de corrupção política acolhidas pelo Supremo Tribunal Federal. Segundo a Constituição, Art. 37, é dever de todo servidor público, principalmente os que detêm elevadas funções, manter conduta íntegra, sob pena de não poder exercer o cargo que ocupa.
      Tais denúncias exigem rigorosa apuração, obedecendo-se sempre as garantias constitucionais. Apurados os fatos, os autores dos atos ilícitos devem ser responsabilizados. A vigilância e a participação política das nossas comunidades, dos movimentos sociais e da sociedade, como um todo, muito podem contribuir para elucidação dos fatos e defesa da ética, da justiça e do bem comum.
      A superação da grave crise vivida no Brasil exige o resgate da ética na política que desempenha papel fundamental na sociedade democrática. Urge um novo modo de fazer política, alicerçado nos valores da honestidade e da justiça social. Lembramos a afirmação da Assembleia Geral da CNBB: “O desprezo da ética leva a uma relação promíscua entre os interesses públicos e privados, razão primeira dos escândalos da corrupção”.
      Recordamos também as palavras do Papa Francisco: “Na vida pública, na política, se não houver a ética, uma ética de referimento, tudo é possível e tudo se pode fazer” (Roma, maio de 2013). Além disso, é necessário que saídas para a atual crise respeitem e fortaleçam o Estado democrático de direito.
      Pedimos às nossas comunidades que participem responsável e pacificamente da vida política, contribuam para a realização da justiça e da paz e rezem pelo Brasil.
Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, nos ajude a caminhar com esperança construindo uma nova sociedade.

Cardeal Sergio da Rocha
Arcebispo de Brasília
Presidente da CNBB

Dom Murilo S. Ramos Krieger
Arcebispo de São Salvador da Bahia
Vice-Presidente da CNBB


Dom Leonardo Ulrich Steiner
Bispo Auxiliar de Brasília
Secretário-Geral da CNBB
Fonte: cnbb.net.br

AGENDA DO BISPO





MAIO 2017

Dia
Horas
ONDE
ATIVIDADE
20
Manhã
Casa do Bispo
Atendimento
16.00
Comunidade Alagoas – Dom Basílio
S. Missa com Crisma
21
Manhã
Paróquia Nossa. Senhora da Saúde Jussiape
Encontro CPP
18.00
Paróquia Bom Jesus - Taquari
Encontro grupo Crismandos
19.30
S. Missa com Crisma
22
Manhã
Casa do Bispo - Cúria
Atendimento
23
Até dia 25
CNBB - Brasília
Comissão textos litúrgicos (CETEL)
26
Manhã
Casa do Bispo
Atendimento
Tarde
Atendimento
27
Manhã
Casa do Bispo
Atendimento
16.00
Paróquia Bom Jesus – Taquari
Casamento
17.30
Centro Diocesano
Enc. Casais da Pastoral Familiar.
19.00
Capela Casa do Bispo
Casamento
28
10.00
Comunidade Ibiajara – Rio do Pires
S. Missa na festa de Santa Maria do Ouro
18.00
Paroquia Santo Antônio de Paramirim
Santa Missa
29
Centro diocesano
Encontro com Autoridades para Jubileu
17.00
Casa do Bispo
Encontro catequese Crismandos jovens
19.30
Comunidade Algodões – Dom Basílio
S. Missa com Crisma
30
Dia
Centro diocesano
Coordenação diocesana de Pastoral
31
Dia
Casa do Bispo Cúria - Cidade
Atendimento - Visitas

Encontro Diocesano de Secretários e Secretárias Paroquiais

No início desta semana, no Centro Diocesano, em Livramento de Nossa Senhora-Ba, estiveram reunidos os secretários e secretárias das paróquias da diocese. O encontro, realizado a cada ano, é uma oportunidade de convívio, de troca de experiências e de aprofundamento espiritual, mas, sobretudo, de qualificação profissional, a fim de que as secretarias paroquiais, bem organizadas, sejam um espaço acolhedor e favorecedor da evangelização. Contribuíram nessa qualificação o Sr. Adielson, responsável pela contabilidade da diocese, o Pe. Rinaldo, Chanceler da cúria diocesana, bem como Fátima, secretária da cúria diocesana.
 
Veja algumas fotos clicando aqui.

REUNIÃO DO SETOR JUVENTUDE

Aconteceu no último sábado (13/05), no Centro de Treinamento de Pastoral (CDTP), o encontro do Setor Juventude, ministrado pelo Pe. Marcelo Pires, assessor do setor na diocese.                       

O encontro foi norteado pelo tema: “as realidades de nossas juventudes”, e a turma foi subdividida em grupos para discutir as realidades juvenis em nossa diocese. Todos os vicariatos foram representados com a participação de um a dois jovens por Paróquia. O encontro percorreu com muito entusiasmo e  participação dos jovens.

REUNIÃO DO CONSELHO PASTORAL PAROQUIAL DE BARRA DA ESTIVA










Na celebração do 4º. Domingo da Páscoa, dia em que se comemora o Bom Pastor, a paróquia Bom Jesus de Barra da Estiva realizou o encontro do Conselho de Pastoral Paroquial. Das 08:00 às 13:00h, na igreja matriz, os participantes se envolveram nos diversos assuntos apresentados, refletidos e debatidos. Dentre estes assuntos destacaram o tema sobre a Santíssima Virgem Maria, no qual o Pe. Gonçalo aproveitando do material diocesano para ser trabalhado neste mês pelas paróquias, expôs o pensamento do Santo Padre o Papa São João Paulo II, no documento: “O Rosário da Virgem Maria”. Algumas ricas intervenções aconteceram, envolvendo assim os participantes. Foram ainda ressaltados assuntos sobre a formação paroquial que está acontecendo na paróquia até o mês de junho, para todos os agentes de pastoral e, o ministério extraordinário da Palavra. Deste ministério foram mais uma vez apresentadas as orientações contidas no próprio documento formativo. A conclusão do encontro se deu com a oração do santo terço, por ocasião do mês mariano e por esta sendo prática diária da comunidade matriz sempre às 13:00h. Foi ainda anunciado a data do próximo encontro que acontecerá no dia 16 de julho.

ENCONTRO DE LITURGIA DO VICARIATO NOSSA SENHORA DO ALÍVIO


No domingo (30/04), aconteceu no salão paroquial da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro de Tanhaçu, o encontro de Liturgia do Vicariato Nossa Senhora do Alívio, no qual estiveram presentes cerca de 80 pessoas, representando as Paróquias de São João Batista de Contendas do Sincorá, São Bento de Ibicoara e Bom Jesus de Barra da Estiva e a Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro de Tanhaçu, com suas comunidades. O encontro foi dirigido pelo Padre Weverson Almeida Santos, assessor de liturgia da diocese, e contou também com a colaboração de Suélia Silva Caires, representante da Pastoral Litúrgica do vicariato. Foram apresentados passos para preparar a liturgia, como também a necessidade da implantação da Pastoral Litúrgica. Em grupos, foi feita uma oficina, para preparar a liturgia. O encontro transcorreu de forma dinâmica, orante e participativa. Veja as fotos!

Pascom Vicariato Nossa Senhora do Alívio