I ENCONTRO DIOCESANO DE CORAIS

No último domingo, 19 de maio, a nossa Diocese teve a alegria de realizar o I Encontro Diocesano de Corais. Tal encontro já era pensado há alguns anos, com o objetivo de impulsionar o crescimento e a formação dos corais de nossas paróquias, incentivando a cultura musical e uma maior aproximação com o Hinário Litúrgico.
O encontro, que contou com a participação de nove corais da Diocese, somando o número de mais de duzentos participantes, teve início às 09h, no Centro Diocesano, com a oração inicial. Logo após, dom Armando fez algumas colocações a respeito da música, discorrendo sobre duas perspectivas: antropológica e litúrgica. No que se refere à música litúrgica, o bispo enfatizou as mudanças advindas do Concílio Vaticano II, onde se recupera a concepção de Igreja “Povo de Deus”, apontando a assembleia como participante e celebrante. Oportunamente, foram feitas algumas orientações práticas no que diz respeito ao uso excessivo de microfones e ao volume exagerado dos instrumentos musicais. O ideal é o crescimento do número de pessoas que cantem e incentivem a assembleia a cantar, diminuindo, assim, o uso de microfones; os instrumentos são fundamentais, mas o volume não deve se sobrepor às vozes. Esta primeira atividade foi encerrada com um ensaio geral.
A tarde do dia 19 foi o momento mais esperado por todos. Às 14h foram iniciadas as apresentações; cada grupo ficou responsável por três músicas, organizadas de acordo as solenidades e tempos do ano litúrgico. A qualidade das apresentações mostrou o quanto a nossa Diocese avançou na execução dos cantos litúrgicos. O ponto culminante foi a celebração da Santa Missa, cantada a uma só voz por todos os corais presentes. Foi um dia forte, de fé, vibração e fraternidade. Encerrando a Santa Missa, dom Armando convidou a todos a voltarem para casa cantando o que ouviram e viram neste dia maravilhoso. Aqui, deixamos nossos agradecimentos aos corais que participaram e à equipe organizadora do evento.

Veja aqui as fotos

e assista a apresentação dos corais

CAFÉ FILOSÓFICO: LIBERDADE

A liberdade é a autonomia que possibilita a autodeterminação, espontaneidade, e dentre outras coisas, podendo assim expressar as suas ideias, escolhas do indivíduo, enfim, exercer o livre-arbítrio.
            Primeiramente, os filósofos da Grécia antiga, já falavam muito sobre a liberdade, para Sócrates (469 a 399 a.c.).: “o homem livre era aquele que controlava seus instintos e seus desejos”,  para nos afirmar esse pensamento que iria torna-lo célebre, ele disse: “ Conheça-te a ti mesmo”, para o filósofo, o homem livre é aquele que consegue dominar seus sentimentos, seus pensamentos, a si próprio.  Essa frase sobre o autoconhecimento leva o individuo a pensar: o que é realmente a liberdade? Aristóteles (384 a 322 a.c.) pensa a liberdade como a capacidade do homem em optar entre as diversas alternativas que a vida lhe oferece, ou seja, o homem para ser livre precisa ser hábil a escolher entre as opções que lhe são oferecidas.
Na contemporaneidade, o filósofo brasileiro Mario Sergio Cortella diz que: “a minha liberdade não acaba quando começa a do outro; acaba quando acaba a do outro. Se algum ser humano não for livre, ninguém é livre.”  Portanto, fica evidente mais uma  vez que a liberdade não é particular, ou pessoal, mas faz parte da essência do ser humano. Ser livre para sentir, pensar, falar, fazer suas próprias escolhas é uma característica do homem.  
Em suma, desde Grécia antiga até os dias atuais, o estudo filosófico vem mostrando aos indivíduos que ter liberdade é ter a consciência de suas próprias vontades, decisões, responsabilidade, enfim uma conquista que se alcança ao longo da maturidade.
Pedro Augusto
I Ano

ENCONTRAS DAS FAMÍLIAS NA PAROQUIA SÃO JOÃO BATISTA DE CONTENDAS DO SINCORÁ


No último final de semana, 18 e 19 de maio, a Paróquia de São João Batista de Contendas do Sincorá promoveu o Encontro com as Famílias. Na ocasião, Dom Armando, nosso Bispo Diocesano, refletiu sobre sua XII carta pastoral "A Missão da Família na Sociedade e na Igreja". Participaram do encontro cerca de 130 pessoas, entre elas o pároco, Pe. Cláudio, e um grupo de casais do Movimento Focolares. Esse grupo conversou sobre a Família na nova sociedade. Foi um momento agradável e enriquecedor para as famílias.  Elas tiveram oportunidade de compartilhar as alegrias, desafios e esperanças do ambiente familiar. Veja Fotos!

CELEBRAÇÃO DO SACRAMENTO DA CRISMA NA PARÓQUIA SÃO JOÃO BATISTA DE DOM BASILIO


No último sábado, 18 de maio, Dom Armando presidiu a Santa Missa, às 19h30min na Igreja Matriz da Paróquia de São João Batista de Dom Basílio. Durante a celebração, 75 jovens e adultos receberam o sacramento da Crisma. Num clima de alegria pascal a celebração da confirmação da fé foi uma ocasião para fortalecer a vida cristã e renovar o compromisso eclesial de testemunhar no mundo a fé em Jesus Cristo. Estavam presentes o Pe. Rinaldo Silva Pereira, que concelebrou com o bispo, o Irmão Edmundo e os seminaristas Max Sabrino e Mário Vitor. Veja fotos!

MAIO 2019 - II

Dia
Horas
Onde
Atividade
20
Manhã
Casa do Bispo
Atendimento
Tarde
Capela Casa do Bispo
Celebração de Casamento
19.30
Casa do Bispo
Catequese adultos – preparação Crisma
21
Manhã
Casa do Bispo – Cúria
Atendimento
09.00
Centro diocesano
Encontro Coordenação diocesana de Pastoral
Tarde
Casa do Bispo
Atendimento
22
Manhã
Casa do Bispo - Cúria
Atendimento
16.00
Casa do Bispo
Atendimento (preparação casamento)
19.30
Catedral
S. Missa
23
Dia
Casa do Bispo
Encontro Padres (II grupo)
19.30
Comunidade Monteiro – Taquari
S. Missa (aniversário falecimento)
24
Manhã
Casa do Bispo
Atendimento
Tarde
Centro diocesano
Encontro Vocacional (palestra)
Noite
Centro diocesano
Atendimento
25
Manhã
Centro diocesano
Encontro Vocacional (palestra)
17.00
Capela São José - Catedral
Batismo
19.30
Comunidade Matinha de Baixo = Catedral
S. Missa com Crisma
26
09.00
Comunidade Ibiajara – Rio do Pires
S. Missa na festa de “S. Maria do Ouro”
19.30
Paróquia Santa Luzia - Ibipitanga
S. Missa com entrega ‘Ministério da Palavra’

Encontro do Bispo com os padres jovens da Diocese


Nos dias 14 e 15 de maio, o Bispo Diocesano, D. Armando, se encontrou com com os padres mais jovens da Diocese, que possuíam menos de 10 anos de ministério. Também estiveram presentes os seminaristas Júlio e Marcos, que concluíram os estudos e estão em estágio pastoral.

O bispo conduziu o encontro de modo sereno, fomentando momentos de partilha das alegrias e desafios do ministério, orientando a vivência pastoral e promovendo uma convivência fraterna. Lembrou a importância desses momentos para tornar mais rica e sólida a vivência do ministério no mundo atual. Rezemos sempre mais pelos presbíteros da nossa diocese!

Terço dos Homens de Varzinha participa da V Romaria a Bom Jesus da Lapa

No último sábado (11/05), o Movimento Terço dos Homens do Povoado de Varzinha participou da V Romaria Nacional do Terço dos Homens ao Santuário do Bom Jesus da Lapa. A peregrinação contou com a presença de cerca de 4 mil homens de várias estados do Brasil. Na gruta, eles rezaram aos pés do Bom Jesus da Lapa e da Mãe da Soledade. 

O grupo participa desta romaria desde o seu início. É um momento muito prazeroso, no qual aflora ainda mais os laços de amizade e, sobretudo, agrega todos os homens, convidando-os à recitação do Terço Mariano, bem como, seguir os ensinamentos de Nosso Senhor Jesus Cristo através do seu Evangelho e da Igreja, trazendo, desta forma, os homens para o seio da Igreja, conscientizando-os e motivando-os ao conhecimento espiritual, social e familiar perante a comunidade. 

“Para mim é muito importante esta nossa peregrinação, apesar da distância, do cansaço. Vale muito a pena, me sinto mais rejuvenescido pelo poder deste abençoado lugar” afirma Patryck Saulo, membro atuante do grupo. Após mais uma romaria, o grupo regressa a sua comunidade renovado e disposto a voltar no próximo ano. 

Crianças recebem os Sacramentos da Iniciação Cristã na Comunidade São José de Jussiape

Na última terça-feira, dia 14/05, às 19h30min, na Comunidade São José em Jussiape, o Pe. Gilvânio Cardoso de Almeida presidiu a Celebração Eucarística na capela local, na qual cinco crianças receberam o Sacramento da Eucaristia pela primeira vez e duas receberam o Sacramento do Batismo. As crianças foram acompanhadas durante os encontros de formação pela catequista Celma Leite dos Santos. Na celebração se fez presente um grande número de fiéis da comunidade e de outras comunidades circunvizinhas.



Celebração da Crisma em Vereda

Aconteceu no dia 16/05, às 19:30h, a celebração da Crisma de 6 jovens da comunidade de Vereda, da Paróquia de Nossa Senhora do Livramento.




5º Domingo da Páscoa

Leituras:

At 14, 21-27
Sl 144
Ap 21, 1-5
Jo 13, 31-35

“Eu vos dou um novo mandamento: amai-vos uns aos outros”

A liturgia deste domingo tem como tema central o amor e nos convida a vivermos os frutos do tempo pascal. Mergulhados no amor de Deus somos impulsionados a vivermos a prática do amor fraterno como mandamento novo. No evangelho, Jesus nos deixa um mandamento como testamento e prática de vida e como verdadeira identidade do discípulo, pois é o amor que identifica os seguidores de Jesus Cristo.

Na primeira leitura, nos é apresentado a missão de Paulo e Barnabé, dois homens cheios de Deus e do amor pela missão, ao mesmo tempo em que anunciavam o evangelho, encorajavam aos demais para permanecerem firmes na fé, pois o verdadeiro discípulo é aquele que suporta os sofrimentos por causa do Reino de Deus sem desanimar, eis que para manter-se firme na fé é imprescindível que o amor seja tão presente quanto o desejo de viver.
A exigência que Jesus faz aos seus discípulos nada mais é do que a prática do amor fraterno. No evangelho deste domingo, podemos destacar no ensinamento de Jesus três direcionamentos aos quais deverão servir de caminho para nós, discípulos seu. O primeiro direcionamento que Jesus nos aponta é a maneira como deveremos nos portar “amai-vos uns aos outros”, e aqui se resume a prática e eficácia da vida de fé, pois de nada adiante dizer que ama a Deus se não é capaz de amar o seu irmão. Seguindo, Jesus nos proporciona o grande exemplo a ser vivenciado no cotidiano “como eu vos amei”, justamente para nos dizer que a prática antecede a missão, ou seja, de nada adiante dizer ao outro o que deve ser feito se antes não experimentarmos na própria vida aquilo que direcionamos aos outros. E por fim, “assim também vós deveis amar-vos uns aos outros”, e aqui, poderemos sentir na própria carne o que Jesus fez ao nos amar por primeiro, visto que não adianta amar apenas o outro, faz-se necessário o amar a si mesmo, pois não podemos oferecer ao outro aquilo que não cultivamos em nosso coração.

Na segunda leitura, na qual João nos apresenta o testemunho profético de que não seremos destinados ao fracasso, mas para uma nova realidade, “um novo céu e uma nova terra”, para onde seremos todos conduzidos como fruto da entrega ao projeto de Deus. Eis que não existe recompensa maior para o discípulo do que morar junto a Deus e ser confortado por Ele diante dessa nova realidade que foi vencida pela Ressurreição de Jesus Cristo e que seremos agraciados com a sua promessa “Eis que faço nova todas as coisas”, assim também seremos novas criaturas revestidos da graça e do amor de Deus.

A catequese que nos é proporcionada neste Tempo Pascal é de grande riqueza e nos conduz numa experiência viva do amor de Deus para conosco, pois na morte e ressurreição de Jesus Cristo fomos agraciados com a vitória da vida sobre a morte, na profissão de fé de Tomé podemos enxergar, não com os olhos do corpo, mas com os olhos do coração, o verdadeiro rosto de Deus, reconhecendo-O não apenas como Senhor mas também como Deus e nessa dupla confissão de fé somos chamados a cada dia a professarmos nossa fé dizendo “meu Senhor e meu Deus eu creio em Vós mas aumentai a minha fé”, e nessa dinâmica do discipulado, também presenciamos na confissão de amor feita por Pedro a verdadeira entrega do discípulo ao seu Mestre, e assim, também nós, possamos nos entregar a Deus como verdadeiros discípulos seus.

Na alegria deste Tempo Pascal, sejamos capazes de viver “o sacramento dos irmãos” na verdade do amor e tornemos assim, frutuoso “o sacramento do pão e do vinho”, visto que a realidade de ambos é a mesma “com o amor que Deus nos amou somos impulsionados a amarmos uns aos outros.

Élcio Bonfim Neves
3º ano de Teologia