terça-feira, 31 de março de 2015

AGENDA DA BISPO



Mês de ABRIL de 2015
Dia
Horas
Onde
Atividade
01
Manhã
Casa do Bispo
O Bispo atende
18.00
Comunidade Mocambo (Ibitiara)
Visita e S. Missa
02
Manhã
Casa do Bispo
O Bispo atende
16.00
Catedral
S. Missa na Ceia do Senhor, com as crianças
19.30
Catedral
S. Missana Ceia do Senhor – Confissões
03
15.00
Catedral
Celebração da morte do Senhor
19.30
Catedral – Ruas da Cidade
Procissão com o Senhor morto - Reflexão
04
09.00
Capela da casa do Bispo
Celebração com batizandas
17.00
Catedral
Atendimento e confissões
21.00
Catedral
Celebração da solene Vigília Pascal
05
15.00
Comunidade Iguatemi (Taquari)
S. Missa
19.30
Dom Basílio
S. Missa
06
Manhã
Casa e Cúria
O Bispo atende
17.30
Casa do bispo
Encontro Crismandos
07
10.00
ParóquiaSão João Batista – Dom Basílio
S. Missa (no aniversário da Cidade)
19.30
Com. Matinha de baixo (Catedral)
S. Missa com Crisma
08
17.00
Comunidade São José (Jussiape)
Encontro crismandos
19.00
Bênção nova capela e S. Missa
09
16.00
Com. Várzea Grande (Piatã)
S. Missa com Crisma
19.30
Com. Inúbia (Piatã)
10
Tarde
(até Domingo) Centro diocesano
Escola de Teologia para Leigos (ETeL)
13
Manhã
Casa e Cúria
O Bispo atende
17.30
Casa do Bispo
Encontro Crismandos
14
Até o dia 24 em Aparecida
Assembleia Geral dos Bispos
25
19.30
Com. Capão da Volta (Ibicoara)
S. Missa com Crisma
26
09.30
Com. Ribeirão do Meio (Piatã)
S. Missa com Crisma
16.00
Paróquia Senhor do Bonfim - Boninal
S. Missa na festa do Padroeiro
27
Manhã
Casa e Cúria
O Bispo atende
17.30
Casa do Bispo
Encontro Crismandos
28
18.00
Com. Fazendola (Rio de Contas)
Encontro Crismandos e S. Missa com Crisma
29
(Até o dia 01/05) Viagem para Aracaju
Seminário sobre Concílio Ecumênico Vaticano II

Somos felizes quando escolhemos a vida e não a morte

Deus quando cria o ser humano, concede a cada pessoa um projeto. Deus não criou o homem e a mulher para o nada, para viverem ao acaso, mas como diz Calos Trancredi: Deus cria o ser humano para ser feliz!
Portanto, eu sou chamado a ser feliz. E para mim o que é a felicidade?
Para nós cristãos, o caminho para ser feliz é muito diferente daquilo que o mundo considera como felicidade.
Para o mundo, felicidade é bem estar, aparência, prazer, poder...etc.
Para nós a felicidade nasce do amor, do sentir-se amado por Deus e da capacidade de amar aos irmãos, de se doar para que o outro tenha vida em abundância (Jo 10,10). Somos felizes quando descobrimos a nossa vocação, ou seja, para que eu exista.
Somos felizes quando escolhemos a vida e não a morte!

Mariano Coelho

Propedêutico

domingo, 29 de março de 2015

Aniversário Natalício do Pe. Rinaldo

Dia 29 de Março, CELEBRAMOS o aniversário natalício do Pe. Rinaldo Silva Pereira.
Desejamos que o senhor, Padre Rinaldo, seja agraciado por Deus, que o chamou a vida e a vocação sacerdotal, no exercício de todas as atividades em prol da salvação do Povo de Deus. Muitas felicidades, saúde e paz!






FELIZ ANIVERSÁRIO!

sábado, 28 de março de 2015

"Missa do Crisma" na Paróquia do Senhor do Bonfim de Rio do Pires

      Na última quinta-feira (26), na Paróquia do Senhor do Bonfim de Rio do Pires, na Praça da Matriz, tivemos a celebração da “Missa do Crisma”, que seria celebrada na próxima Quinta-feira Santa, mas que, por razão de conveniência pastoral, foi antecipada. Na "Missa do Crisma" se abençoa o óleo dos catecúmenos e dos enfermos e se consagra o Santo Crisma; daí, ser também chamada "Missa dos santos óleos".
      A celebração foi presidida pelo nosso Bispo Dom Armando e concelebrada pelos padres da Diocese, que, como de costume, renovaram as promessas sacerdotais pronunciadas no dia da ordenação. Por isso, essa celebração é também chamada Missa da Unidade, pois expressa a comunhão diocesana em torno do mistério pascal de Cristo, sendo um momento muito intenso de comunhão eclesial, de participação das comunidades e de valorização dos sacramentos da vida da Igreja.

      Participou, atentamente, da Eucaristia um grande número de fiéis, representantes das 21 paróquias da Diocese. Na oportunidade, Dom Armando, agradeceu a todos pela colaboração e incentivou-os a continuarem firmes e com um renovado ardor missionário. Depois, ele apresentou e entregou para os padres, religiosas e representantes de algumas pastorais e movimentos a nova carta Pastoral, que norteará as atividades pastorais na diocese ao longo deste ano. Confira!

quinta-feira, 26 de março de 2015

A CELEBRAÇÃO DO BATISMO DE CRIANÇAS - 12

Nossa reflexão sobre ‘batismo de crianças’ chega ao fim, analisando os ritos finais. Compreendem três momentos: a oração do Senhor, a bênção e a despedida.
Vimos que, na celebração de batismo, os ritos deveriam acontecer em quatro lugares: a acolhida, à porta da igreja; a liturgia da Palavra, nos bancos próximos ao ‘batistério’ ou pia batismal; a renovação das promessas batismais e o rito do batismo com seus ritos complementares, ao redor do ‘batistério’; enfim, todos que participam da celebração – se o espaço permitir – aproximam-se do altar, levando acesa a vela dos que foram batizados e cantando um canto batismal.
Junto ao altar, quem preside diz: “Esta criança que foi batizada é chamada, em Cristo, a viver plenamente como filha de Deus Pai. Por isso, ela precisa também ser fortalecida pelo Espírito Santo no sacramento da confirmação e alimentada na Ceia do Senhor”. Ao redor do altar, todos rezam a oração do Senhor, o Pai nosso. Pode-se concluir com as palavras (do livro antigo da Didaqué): “Pois vosso é o reino, o poder e a glória para sempre”.
Com esse rito, a igreja recorda que batizar uma criança é só o primeiro passo e que têm mais outros dois sacramentos da iniciação cristã, crisma e eucaristia. O batismo é o ‘sacramento de entrada na igreja’, mas, pede-se que a iniciação à fé continue até a sua plenitude. Por razões que aqui não temos a possibilidade de explicar, há pouco mais de um século, a eucaristia foi antecipada e – de costume – é celebrada antes da crisma; mas, o sacramento da ‘maturidade cristã’ é a eucaristia.
Em seguida, quem preside abençoa a mãe, o pai e os padrinhos. À mãe, o texto do ritual deseja que ‘seja feliz vendo seu (sua) filho(a) crescer em idade, sabedoria e graça’; ao pai, faz-se votos que ‘unido à sua esposa, tenha a alegria de oferecer condições de vida digna para seu (sua) filho(a) e o incentivo da fé’; aos padrinhos, ‘que sejam membros vivos do povo de Deus’.
Enfim, antes da despedida, tem um rito breve e significativo, ao qual o povo, por antigo costume, dá muita atenção e chama, impropriamente, de ‘consagração a Nossa Senhora’. O ritual o chama de ‘ato de devoção a Maria’, ato com que ‘se confia a criança à especial proteção de Maria, Mãe de Deus e dos discípulos de Jesus’. A oração pede que a criança, ‘conduzida pelo Espírito, seja fiel ao Evangelho, cresça em sabedoria, idade e graça na Igreja e diante de Deus’.
Finalizando, destaco mais um convite: todos reflitam a respeito das palavras e dos gestos com que se celebra o sacramento do batismo. Trata-se de palavras e gestos muito significativos. É preciso que os cristãos tomem consciência e vivam o que celebram, com coerência e fidelidade. Por isso, antes da celebração, pais e padrinhos sejam esclarecidos a respeito do sentido do batismo de um filho ou afilhado. Por esse motivo, são propostos os encontros de preparação ao batismo por parte das Paróquias; visam ajudar a compreender melhor esse momento importante na vida de uma família cristã. Desse modo, o sacramento não será só um ato de tradição ou um rito mágico, mas um sinal da fé da Igreja, que pais e padrinhos manifestam, junto ao compromisso de ‘educar’ na fé a criança que é batizada.
Desejo que todos possam compreender e valorizar o que a Igreja – como mãe – deve e procura ensinar.

Dom Armando 

terça-feira, 24 de março de 2015

Formação Pastoral em Piatã aborda Documento 100 da CNBB

A Paróquia do Senhor Bom Jesus de Piatã realizou neste mês de março, Formação Pastoral nos 4 setores que integram as 36 comunidades eclesiais. O encontro foi assumido pelos estudantes da Escola de Teologia para Leigos e abordou o Documento 100 da CNBB, “Comunidade de comunidades: uma nova paróquia”. Com a presença de Catequistas, Ministros Extraordinários da Sagrada Comunhão Eucarística, Zeladores do Dízimo, Equipes de Liturgia e Coordenadores das comunidades, o encontro superou as expectativas e todos aproveitaram este momento de formação e integração das comunidades do setor. No dia 07 de março, pela manhã, o Setor I se reuniu em Piatã, com a
presença de 41 pessoas. Neste mesmo dia, à tarde, com 23 pessoas, o Setor III se reuniu em Cabrália. Dia 08, à tarde, reuniram-se em Inúbia, 100 pessoas do Setor IV. E conclui este primeiro ciclo de encontros no dia 21, em Vereda das Tábuas, no Setor II, com 36 pessoas. O Pe. Samuel acompanhou estes encontros e avalia como positiva a acolhida de todos, o que favorece a renovação pastoral da paróquia com este compromisso pela formação. Acompanhe fotos

Espanto: atitude filosófica ou a perca de tempo


Uma atitude fundamental à Filosofia, e arrisco dizer que à vida, é o espantar-se, o “admirar-se de ou com” algo, alguém, alguma atitude. Que seria da Filosofia se, como conta-nos a história, em determinado momento Tales de Mileto não “encucasse” a ideia de saber de onde tudo vinha e o que dava origem ao mundo?
Possível, ai, seria que ainda nos contentássemos com as “historinhas” que a tudo explicavam, sem muito critério ou preocupação com a verdade, mas que existiam para calar a ânsia humana de saber o porque, verdadeiro, das coisas.
Mas, se existem os mitos, não será porque, antes de Tales, alguém não já se terá espantado com a existência? Eis que o “Espanto”, portanto deve ter surgido tão logo o ser humano “tomou consciência de si” e passou a querer ir além do imediatamente dado, ou de explicações fantasiosas.
Agora, lançando olhar no hoje de nossa época, percebo que estamos, de novo, nos colocando em atitude similar aos antecessores de Tales, e, aceitando qualquer explicação para muita coisa séria. Estamos perdendo a capacidade de nos espantar com as coisas, e quando ainda nos espantamos, logo achamos uma informação rápida que preencha aquela “novidade” em coisa passada, o que nos dá sede de um sempre novo.
Sociedade rápida, era da informação, mudanças: estes termos nos tomam conta, muito porque, não temos diversidade de Sócrates nos dias de hoje. O ateniense tagarela, sem muito a fazer, andava pelas ruas da capital indagando a vida das pessoas, que, ou dele tomavam raiva, pela insistência de suas perguntas, que mexiam no profundo das pessoas, ou a ele se rendiam.
Aí está, falta-nos pessoas desocupadas para perguntar (filosoficamente) e atentas para buscar uma resposta. Mas não perca seu tempo, deve ter coisa mais importante a FAZER do que querer saber bobagens como o SENTIDO DA VIDA.

Kleber Chaves
2º Filosofia