Encontro Vocacional reflete a Vida Religiosa

No final de semana de 04 a 06 de outubro, os jovens participantes do Encontro Vocacional Diocesano 2019 se reuniram no Centro Diocesano de Livramento de Nossa Senhora, para conhecerem melhor a vocação à Vida Religiosa Consagrada. A equipe da Pastoral Vocacional por meio de palestras e momentos de oração conduziram os jovens nesse percurso de discernimento. Um destaque foi a apresentação das congregações na qual cada religiosa pode falar do carisma e da história de sua família religiosa.

O encontro encerrou-se com a missa presidida pelo Pe. Josemar - religioso estigmatino e membro da equipe da Pastoral Vocacional Diocesana - momento de louvor a Deus pela presença dos religiosos e das religiosas na Igreja, sobretudo pela sua disposição missionária de testemunhar os valores do Reino.

ASSEMBLEIA PAROQUIAL EM ABAÍRA



Recordando os últimos quatro anos, a Paróquia Nossa Senhora da Saúde de Abaíra realizou neste domingo (06/10) a Assembleia Paroquial 2019 com a presença de lideranças das comunidades, pastorais e movimentos.

Iniciando com a Santa Missa, pela manhã, o encontro foi marcado pela troca de experiências entre coordenadores, momentos de reflexão diante de trabalhos realizados e estudo do subsídio preparatório à Assembleia Diocesana, refletindo os 4 pilares: Palavra, Pão, Caridade e Ação Missionária.

Assim, o dia foi marcado por muita oração, animação e gratidão, sendo que ao reviver momentos dessa grande trajetória é possível reconhecer o crescimento das comunidades como também das pastorais e movimentos.

“Batizados e Enviados – A Igreja de Cristo em missão no mundo”

Estamos vivendo o Mês Missionário Extraordinário (MME). Convocado pelo Papa Francisco, trata-se de uma oportunidade para reavivar em toda a Igreja a missionariedade que recebemos no Batismo. Com o tema “Batizados e Enviados – A Igreja de Cristo em missão no mundo”, o MME deseja “despertar em medida maior a consciência da missio ad gentes e retomar com novo impulso a transformação missionária da vida e da pastoral”.
Temos a feliz coincidência de dois grandes momentos na Igreja, o Mês Missionário Extraordinário e o Sínodo Pan-Amazônico. E no final de semana em que celebraremos o Dia Mundial das Missões (19 e 20 de outubro) a nossa Diocese de Livramento de Nossa Senhora ganhará dois novos presbíteros. O Diácono Marcos Bento será ordenado no dia 19/10, às 18 horas, na Paróquia de São Bento de Ibicoara, e o Diácono Júlio César, no dia 20/10, às 09 horas, na Catedral diocesana, em Livramento de Nossa Senhora.
Vamos nos preparar para esses momentos com a Novena Missionária. Convidamos as comunidades das nossas paróquias e pedimos que se organizem em grupos para celebrar com as famílias os nove encontros do material da Campanha Missionária 2019
(http://www.pom.org.br/wp-content/uploads/2019/04/novena-2019-site.pdf). Aproveitemos esse
tempo para rezar, refletir e escutar com atenção o mandato de Cristo: “Ide, pois, e fazei
discípulos todos os povos, batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo” (Mt 28,19). A missão não é algo opcional na Igreja, como se fosse uma atividade para algumas pessoas realizarem em outras terras. A missão é a essência da Igreja, portanto, não se reduz ao fazer, é uma questão de ser. “Não há comunidade cristã que não seja missionária. Se ela esquece a missão,deixa de ser cristã” (CNBB doc. 100, n 157). Temos muito que investir na Iniciação Cristã em nossas comunidades a fim de que tenhamos cristãos mais conscientes e mais envolvidos com a Boa Nova do Reino de Deus.
Que a preparação para o Dia Mundial das Missões e para as ordenações renove em nós a paixão por Jesus Cristo. Vamos começar a Novena Missionária 2019 no dia 10 e concluir no dia 18 de outubro. Rezem conosco e por nós. “A celebração deste mês irá ajudar-nos, em primeiro lugar, a reencontrar o sentido missionário da nossa adesão de fé a Jesus Cristo, fé recebida como dom gratuito no Batismo” (Papa Francisco).
Diácono Marcos Bento
Coordenador do Conselho Missionário Diocesano

Encontro da Pastoral Familiar no Vicariato Nossa Senhora do Alívio



Aconteceu no dia 29 de setembro, encontro da Pastoral Familiar, no Vicariato Nossa Senhora do Alívio, realizado na Paróquia Bom Jesus de Barra da Estiva. Estiveram presentes as paróquias de Ibicoara, Tanhaçu, Ituaçu, Mucugê e Barra da Estiva para avaliação da caminhada, troca de experiências e estudo da carta pastoral de Dom Armando: A Missão da Família na Sociedade e na Igreja.


CELEBRAÇÃO DE POSSE DO PADRE NICIVALDO NA PARÓQUIA DE ODERZO-ITÁLIA


Aconteceu nesse sábado, 05 de Outubro, a celebração de "Início da Missão" do Padre Nicivaldo na paróquia São João Batista, na cidade de Oderzo, diocese de Vitório Veneto - Itália. Foi um momento forte em que estavam presentes Dom Corrado, bispo da diocese local, Dom Armando, nosso bispo, padre Marcos e padre Nicivaldo. A celebração teve a finalidade de envio do padre Marcos ao Brasil, para servir na paróquia de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro de Tanhaçu e apresentação do padre Nicivaldo na paróquia de Oderzo. A missa começou as 18:30 com a presença de vários padres, seminaristas e uma multidão de pessoas da paróquia. O padre Nicivaldo vai atender juntamente com mais 3 padres uma "unidade pastoral" formada de 3 paróquias. A missa transcorreu num clima de serenidade, expectativa e alegria. Antes da missa aconteceu um encontro dos dois bispos, dos dois padres que estão fazendo o intercâmbio missionário com o conselho paroquial, os formadores da diocese, seminaristas da teologia e várias pessoas das paróquias da unidade pastoral. Foi um momento importante onde os dois bispos falaram sobre o projeto do intercâmbio missionário e também os padres, sobre a missão assumida e as suas expectativas. Rezemos para que Deus acompanhe padre Marcos que vem ao Brasil e padre Nicivaldo que está na Itália para que a missão respectiva seja fecunda e frutuosa.  


Encontro com as famílias na paróquia de Nossa Senhora do Carmo de Érico Cardoso



  Na quarta-feira, dia 02, o pároco, Padre Samuel Neves Silva realizou um encontro com as famílias da Paróquia de Nossa Senhora do Carmo de Érico Cardoso, para retomar a caminhada do grupo de casais e partilhar os desafios da evangelização da família nos dias atuais. Foi um Encontro muito proveitoso. Rezemos para que que todas as famílias vivam a sua missão na sociedade e na igreja.

27° Domingo do Tempo Comum – Ano C

Leituras:

    Hab 1,2-3; 2,2-4
    Sl 94 (95)
    2Tm 1,6-8.13-14
    Lc 17,5-10

Neste domingo, a Liturgia da Palavra nos convida a pensar o tema da fé. A profecia de Habacuc, que abre o elenco de leituras, coloca em paralelo de um lado o grito angustiado do sofredor e do outro a resposta de Deus. Diante do cenário de ruína, de destruição e violência o profeta sente-se desamparado e pergunta a Deus: “até quando clamarei, sem me atenderes?”. A resposta do Senhor é precisa: “o justo viverá por sua fé”. A resposta de Deus convida à perseverança. Ainda que a manifestação desta justiça demore ela certamente acontecerá. A fé em Deus significa essa confiança em seu amor, na sua presença e atuação na história, apesar de tantos sinais de contradição.

Esse convite que Deus manifesta ao profeta, na primeira leitura, aparece de maneira semelhante na orientação de Paulo à Timóteo. O apóstolo lembra a este jovem ministro do Evangelho que “Deus não nos deu um espírito de timidez, mas de fortaleza, de amor e sobriedade”. Diante das situações difíceis deste mundo não devemos nos curvar ou desistir. Mas, pela fé em Deus, alcançamos força para seguirmos fiéis na missão; renovamos o amor em nosso coração para continuarmos nos dedicando com zelo e boa vontade; e encontramos sobriedade para decidir e agir com prudência e retidão.

O Evangelho inicia-se com um pedido dos discípulos: “Senhor: aumenta a nossa fé”. É um pouco difícil supor o que eles estavam pensando a respeito da fé. Jesus acabava de lhes falar a respeito da negatividade dos escândalos (Lc 17,1-4) e talvez eles se sentissem com medo de não conseguir levar a bom termo o projeto do Reino diante das exigências de Cristo. A esta inquietação, o Mestre responde com duas imagens. Primeiro fala da semente de mostarda para mostrar que mesmo “pequena” a fé pode gerar grandes resultados. Depois usa a imagem do servo para lembrar que somos “apenas servos”. Temos a nossa responsabilidade na promoção dos valores do Reino, mas é o próprio Deus que na sua bondade e segundo seu desígnio tudo conduz.

Tudo isso nos mostra que em nosso caminho espiritual precisamos compreender bem o sentido da fé e evitar dois extremos: o desespero – de achar que tudo está perdido, que nada tem sentido, que Deus abandonou a humanidade – e a presunção – isto é, acreditar que tudo depende exclusivamente de nossa ação e das nossas forças ou pensar que tudo deve acontecer do nosso modo, segundo nosso querer. 

Quando caímos no desespero nos tornamos negativos, pessimistas, cegamos o nosso olhar para tantas experiências boas que continuam a germinar no mundo e que confirmam a ação do Espírito nos dias atuais. Quando caímos na presunção nos angustiamos pelo peso severo das cobranças, nos desanimamos pelas nossas limitações ou entramos em crise pela sensação de impotência ou de fracasso.

Ter fé significa colocar a confiança em Deus. Isso supõe acreditar que Ele vai agir e que agirá da melhor forma, segundo o seu tempo e o seu desígnio. Como servos de Deus, que acreditam na sua Palavra e nos seus mandamentos, nos esforçamos para viver de acordo com a sua proposta, porém, num espírito de abertura e de entrega total ao seu projeto que é um plano de vida e amor para toda humanidade.

Pe. Jandir Silva

Encontro com as crianças da catequese em Rio do Pires


No sábado (28/09) houve o encontro de Catequese do Setor I. As comunidades estiveram reunidas e cada grupo de catequese fez uma apresentação cultural, expressando sua fé por meio do teatro cristão.  Após esse momento cultural, houve a partilha dos alimentos e, na Igreja Matriz, foi celebrada a Santa Missa, presidida pelo Pe. Weverson. O encontro foi um rico momento de oração e celebração para as crianças.

26° Domingo do Tempo Comum - Ano C

LEITURAS:

      Am 6, 1a.4-7
      Sl 145;
      1Tm 6,11-16
      Lc 16, 19-31

“Em todo o caso, estamos persuadidos, e todos concordam nisto, de que é necessário, com medidas prontas e eficazes, vir em auxílio dos homens das classes inferiores, atendendo a que eles estão, pela maior parte, numa situação de infortúnio e de miséria imerecida” (Rerum Novarum, 2).

Ao celebrarmos o 26° Domingo do tempo comum, nos deparamos com duas realidades humanas: vida e morte. Nesse sentido, as leituras nos apontam três características fundamentais para compreendermos melhor tais realidades, bem como a proposta salvífica de Deus para o homem. A dignidade humana, a saída da zona de conforto e a responsabilidade ética envolvem toda a mística celebrativa desta liturgia.

O primeiro aspecto a ser levado em consideração é quanto a posição que o autor sagrado coloca Lázaro. Nos relata o evangelista: “um pobre, chamado Lázaro, cheio de feridas, estava no chão à porta do rico” (Lc 16, 20). Eis que estamos diante de um homem chagado, que perdera toda sua dignidade e não encontra ninguém que o ampare. Esse personagem é o protótipo de uma imensidão de pessoas que vivem marginalizados nas periferias físicas e existenciais da nossa sociedade. É essa realidade de morte que precisamos enfrentar como Igreja para devolver a esses homens e mulheres a dignidade e tirá-los do “chão”.

Em um segundo momento, o profeta Amós exorta o povo que saia de sua “zona de conforto” e se sensibilize com o perigo iminente que o ronda. Quantas lições podemos aprender com esse texto! Uma delas é que “o mundo não gira em torno de nós”, e como diz Shakespeare: “Depois de algum tempo você... aprende que heróis são pessoas que fizeram o que era necessário fazer, enfrentando as consequências”. Nessa perspectiva, surgem algumas perguntas: o que é necessário fazermos para sermos heróis anônimos? Quais as consequências que devemos enfrentar para construirmos um mundo melhor? Certamente o primeiro passo é sairmos da comodidade que nos aprisiona. 

Todo o supracitado desemboca no compromisso ético. A admoestação que Paulo faz a Timóteo no início da leitura lança luzes para a nossa realidade, ou seja, ser afável diante de tanta perversidade, justo perante as inúmeras injustiças que nos permeiam, piedoso frente às crueldades que presenciamos, fiel contrapondo a cultura da infidelidade, amar numa sociedade que ensina a odiar o diferente, enfim, o Evangelho nos orienta para a contramão dos desvalores e da cultura de morte e nos remete a um cenário de vida e comunhão. 

Pablo Barbosa do Prado
3° ano de Teologia