29 de maio de 2016

ENCONTRO DE CATEQUESE E LITURGIA DO VICARIATO NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO


Aconteceu, neste sábado (28), o encontro de Catequese e Liturgia do Vicariato Nossa Senhora do Rosário, na Paróquia Nossa Senhora da Saúde de Abaíra. Estiveram presentes participantes  das Paróquias de Abaíra, Boninal, Piatã e Jussiape. Pe. Jucimar Pereira (Assessor da Pastoral Bíblico-Catequética) iniciou os trabalhos falando da importância de celebrar na Fé. Abordou os pontos principais para realizar uma catequese profunda e dinâmica e orientou como se deve organizar a pastoral catequética nas paróquias. 
No período da tarde, Pe. Weverson Almeida (assessor diocesano da Pastoral Litúrgica) enfatizou  que “a melhor catequese é uma liturgia bem celebrada” (Bento XVI), e ressaltou oito passos para a criação da Pastoral Litúrgica. O encontro terminou com um lanche para todos.

26 de maio de 2016

SOLENIDADE DO CORPO E SANGUE DE CRISTO

LEITURAS: 
Gn 14,18-20
Sl 109
1Cor 11,23-26
Lc 9,11b-17
A festa de Corpus Christi nasce em Liége na Bélgica no Sec. XIII. O seu início ocorreu primeiro na Itália, quando um padre celebrava a Eucaristia na cripta da igreja Santa Cristina, na cidade de Bolsena, e de repente começou a pingar sangue no corporal que escorria da hóstia consagrada. Após esse episódio, o bispo de Orvieto pediu para fazer a transladação das relíquias até a catedral de Orvieto, onde se encontram até hoje. Pessoalmente, tive a oportunidade de ver e fotografar, quando fizemos um passeio por lá em 2014. Depois desse acontecimento, o Papa Urbano IV, em 1264 aprovou que fosse oficialmente celebrada a procissão de Corpus Christi, na quinta-feira após oitava de Pentecostes. Doravante, a Igreja, por séculos afora, continua a celebrar essa festa litúrgica, com procissão, enobrecendo e evidenciando, assim, o valor da Eucaristia na vida dos cristãos e da Igreja.
A liturgia deste dia vem enriquecer a nossa fé, fazendo memória da Palavra de Deus e memorial da Ceia Eucarística que Jesus nos deixou como eterna aliança.
A primeira leitura nos relata o gesto de Melquisedec, sacerdote e rei de Salém (Jerusalém) que, ao acolher Abraão e sua gente, partilhou o seu pão e o seu vinho para matar a fome. Por isto, até hoje, Melquisedec é lembrado como figura de Cristo e dos sacerdotes da Nova Aliança. O gesto de generosidade de Melquisedec está relacionado com o tema da Eucaristia, porque não se pode e nem se deve celebrar esse sacramento sem viver a partilha com os irmãos que passam necessidade.
Na segunda leitura, a comunidade de Corinto vive um drama entre celebrar a Eucaristia e testemunhar a partilha. Paulo relembra as palavras de Jesus na Ceia, fazendo memória do memorial da entrega de Cristo como alimento para os seus. Paulo denuncia o comportamento incoerente de alguns irmãos da comunidade que, movidos pela ambição, pela gula, não esperam os outros para dividir o mesmo pão. Atitudes dessa natureza são condenáveis, porque, conforme Paulo, há uma incompatibilidade, uma incoerência em celebrar um culto a Deus e não traduzi-lo concretamente através de gestos e comportamentos condizentes com o seguidor de Cristo. Paulo age, duramente, na comunidade de Corinto. Sua pregação é radical e severa para tentar corrigir os vícios que manchavam a própria comunidade. Chega a dizer que quem não vive de acordo com a Palavra e com a Eucaristia, isto é, o que ela representa e significa, realiza atos condenáveis: “Come e bebe a própria condenação (1Cor 11,29)”. Assim, ele tenta mostrar que a Eucaristia não é um alimento para ser consumido de forma individual e isoladamente. Ela é pão que deve ser partido e repartido entre os irmãos na vida da comunidade. O pão eucarístico é, antes e acima de tudo, pão comunitário. A eucaristia, portanto, é pão da fraternidade, da comunhão, da solidariedade, do companheirismo. Pão que alimenta o espírito de cada um para se viver o amor e no amor. Quem faz o contrário disso, não é digno de recebê-lo.
Todos são convidados à mesa da Eucaristia. Ninguém é excluído dela, porém, quem dela se aproxima, deve se comprometer a realizar o que a ela pede. Quem comunga, não deve se sentir melhor nem mais importante que ninguém e, por isso, não deve excluir, nem ter preconceitos, nem afastar os outros, ou agir com moralismos, que fere e mata o sentido da comunhão. Aqui vale mencionar que, nos últimos tempos, talvez por influência de uma mentalidade mais pentecostal, muitas pessoas e movimentos na Igreja pregam um moralismo exacerbado, sobretudo, enfatizando pecados de cunho sexual e ligados à afetividade humana. Agindo assim, deixa quase a entender que esses são os maiores pecados da vida humana, esquecendo, entretanto, de outros muitos mais sérios e graves, como aqueles sociais que atentam contra a vida das pessoas e sua dignidade.
No Evangelho de hoje, acontece o episódio da multiplicação dos pães. O texto de Lucas fala que os Doze, preocupados com a multidão que cercava Jesus, foram até ele propor para que mandasse o povo ir embora. Quiseram mandar o povo se virar para providenciar comida. A reação de Jesus foi outra. Enquanto os discípulos queriam se afastar de um grande problema, Jesus os convida a comprometer com a solução do mesmo. A atitude inicial do mestre foi primeiramente de acolher as multidões e lhes falar do Reino. Seria contraditório da parte de Jesus falar de acolhimento, de justiça, de amor, de partilha, de solidariedade, de fraternidade, etc., e depois mandar o povo embora com fome.
Jesus convida aos discípulos a que providenciem comida para uma multidão. Em outras palavras, Jesus está ensinando que uma comunidade cristã verdadeira deve se preocupar com a fome dos irmãos. A comunidade de fé que celebra a eucaristia deve ter a coragem de abandonar suas casas, sua comodidade, etc., para se juntar aos outros na alegria e nas dificuldades. Ao fazer isso, deve partilhar a vida, tudo o que se é e que se tem para que a ninguém falte o necessário para viver com dignidade e ser feliz. Na comunidade de irmãos, há partilha e ao mesmo tempo não há desperdício. Jesus convida a recolher o que sobrou, seguramente, para alimentar os outros ou os mesmos em outra necessidade.
Ao finalizar esta reflexão, lembremos que a Eucaristia não é um prêmio, não é uma recompensa para os bons, mas como dizia o Papa Francisco é remédio e alimento para os fracos. Eucaristia, o Corpo de Cristo, é alimento, vida e compromisso com o Reino de Deus.  
 Pe. Nicivaldo Evangelista



24 de maio de 2016

Imagem peregrina de Nossa Senhora Aparecida nos lembra que precisamos ser peregrinos

Em preparação ao Jubileu dos 300 anos da aparição de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, está sendo realizada uma peregrinação com a imagem, pelas paróquias do Brasil.
Com grande alegria, a comunidade de Surubim teve a honra de recebê-la na penúltima terça-feira, dia 10 de Maio. Foi trazida pelo nosso pároco, Padre Samuel, e acolhida pelos fiéis da localidade. Foi um momento de muita devoção e louvores a nossa querida mãezinha.
Encerrando sua visita entre nós, deixou às famílias o exemplo de que também precisamos ser peregrinos, indo ao encontro dos mais fracos e necessitados, levando a todos os corações a mensagem do amor.
Daniele Madureira Silva

A imagem peregrina de Nossa Senhora Aparecida visita a Paróquia de Santa Luzia em Ibipitanga

A imagem peregrina de Nossa Senhora Aparecida chegou à Paróquia de Santa Luzia, no dia 22 de maio, e foi acolhida por uma multidão de fiéis, com muito entusiasmo, na entrada da cidade. Logo após, seguiu em procissão até a Praça da Igreja Matriz, onde foi celebrada a Santa Missa.
Na primeira semana (de 22 a 29), a imagem estará na sede, onde acontecerão os encontros com todas as pastorais e movimentos, e na semana seguinte visitará as comunidades eclesiais de base - celebrações, orações, rezas do terço e procissões. Uma grande oportunidade de todos os fiéis se aproximarem de Jesus por intermédio da Mãe Aparecida, imitando-a e seguindo seus passos. Veja mais fotos:
PASCOM de Nossa Senhora do Carmo.


23 de maio de 2016

GIRO PELA DIOCESE

Encerramento da visita da imagem peregrina de Nossa Senhora Aparecida – Paróquia do Senhor do Bonfim em Rio do Pires


      No último domingo (22), às 16 h, na igreja Matriz da Paróquia do Senhor do Bonfim de Rio do Pires, aconteceu a celebração Eucarística, por ocasião do encerramento da visita da imagem peregrina de Nossa Senhora Aparecida. A missa foi presidida pelo nosso Bispo Dom Armando, com a presença do padre Weverson, o Seminarista Antônio Carlos e de um grande número de fiéis.
      A presença da imagem de Nossa Senhora Aparecida foi muito importante para reavivar a fé de tantos irmãos e irmãs.  Por onde passou, a imagem foi acolhida com muito amor, e entusiasmo. Graças e bênçãos foram derramadas em casas, comunidades, repartições públicas, instituições de ensino, hospital, PSF e CRAS. Quanta alegria e dedicação presenciamos! Que Nossa Senhora de Aparecida, que está junto do seu Filho Jesus, continue intercedendo por todo o nosso povo!
      No final da celebração, fiéis da Paróquia de Rio do Pires foram acompanhar a imagem até a Paróquia de Santa Luzia de Ibipitanga.  Confira!

Celebração da Crisma 


No último sábado (21), às 19:30h, na Comunidade de Baraúnas, Paróquia de Nossa Senhora da Saúde de Jussiape, aconteceu a celebração da crisma de crismandos das comunidades de Jureminha, Olho D’Água e Limeira. A celebração foi presidida por Dom Armando Bucciol e concelebrada pelo Padre Gilvânio Cardoso, pároco de Jussiape. Momento intenso de fé para crismandos, seus familiares e para toda a comunidade. Veja fotos!

Dom Armando encontra com o Conselho Pastoral Paroquial da Paróquia de Santa Luzia em Ibipitanga

      





No último sábado (21), Dom Armando realizou encontro com o Conselho Pastoral Paróquia da Paróquia de Santa Luzia em Ibipitanga. O encontro aconteceu no
Centro Pastoral Paroquial Padre José Menon, que mesmo em construção, já está sendo utilizado para encontros da comunidade. O centro, está quase pronto, graças à generosidade da família do Padre José e aos esforços do pároco, o Padre Jucimar Pereira Lima, da equipe de construção e da colaboração de todos os fiéis católicos da Paróquia, que, com o seu dízimo, ofertas e trabalhos, tem demonstrando o significado de ser Igreja Comunhão e Participação.Mais fotos!

II Encontro Vocacional



Nos dias 20 a 22, ocorreu o II Encontro Vocacional, no Centro Diocesano, em Livramento de Nossa Senhora. Esses encontros buscam promover o discernimento vocacional dos jovens e, nesse II encontro de 2016, o tema foi “Ser Homem e Ser Mulher”, assessorado pelo Pe. Rinaldo Silva Pereira, Chanceler do bispado, e Irmã Rita Silva, da Congregação das Missionárias do Santíssimo Sacramento e Maria Imaculada, de Salvador – BA. A temática apresentada pontuou questões como o desenvolvimento corporal e mental humano. Ao final do encontro, aconteceu a Santa Missa, presidida pelo nosso bispo Dom Armando. Confira!




Seminarista Antônio Carlos recebe o ministério de Acólito

Na manhã de domingo, na Solenidade da Santíssima Trindade, presidida pelo nosso bispo diocesano, Dom Armando, o Seminarista Antônio Carlos Flor Bonfim recebeu o ministério de Acólito. Antônio Carlos é natural da Paróquia de Santo Antônio do Paramirim, que, depois do período de formação no seminário, colabora no serviço pastoral com o bispo e com a Paróquia de São João Batista de Mucugê.
A Santa Missa foi concelebrada pelos padres Rinaldo, chanceler do bispado e pároco em Dom Basílio e Mucugê, e Gonçalo, coordenador da Pastoral Vocacional e administrador paroquial em Barra da Estiva. Acompanhe fotos.








AGENDA DO BISPO



MAIO 2016 - III

Dia
Horas
Onde
Atividade
22
10.00
Centro diocesano
S. Missa com entrega Acolitado ao semin. Antônio
16.00
Par. Senhor do Bonfim - Rio do Pires
S. Missa, encerramento visita Imagem N. S. Aparecida
19.30
Comunidade Caraíbas - Paramirim
S. Missa
23
Manhã
Casa do Bispo
Atendimento
Tarde
Crismandos
19.30
Encontro Crismandos adultos
24
Até o dia 28: Paróquia Nossa Senhora Perpétuo Socorro – Tanhaçu – Visita Pastoral - II período
Manhã
Escolas Suçuarana
Encontro estudantes
Tarde
Colégio Suçuarana
Encontro estudantes
19.00
Igreja Suçuarana
Encontro e S. Missa
25
Manhã
Secretaria paroquial
O Bispo atende
16.00
Comunidade Várzea do José
S. Missa com Crisma
19.30
Comunidade Melancia
26
10.00
Paróquia SS. Sacramento Rio de Contas
S. Missa na festa do Padroeiro
17.00
Comunidade Suçuarana
S. Missa na solenidade do Corpo e Sangue de Cristo
19.30
Par. Nsa. S. Perpétuo Socorro - Tanhaçu
27
Manhã
Comunidade Laços
Visita doentes
16.00
Centro Educacional de Ourives
Encontro alunos
19.30
Comunidade Ourives
S. Missa com Crisma
28
09.00
Salão paroquial
Encontro com Catequizandos
10.00
Encontro Crismandos e Jovens
15.00
Encontro Conselho pastoral paroquial
19.30
Igreja Matriz:
S. Missa de Encerramento
29
Dia
Paróquia Bom Jesus­ - Barra da Estiva
Jornada eucarísitca
19.30
Paróquia São João Batista­ -
S. Missa
30
Manhã
Casa do Bispo
Atendimento
Tarde
Crismandos
19.30
Encontro Crismandos adultos
31
08.00
Comunidade Arapiranga – Rio de Contas
S. Missa
18.00
Comunidade Caraguataí – Jussiape
S. Missa (abertura Novena Padroeiro)

21 de maio de 2016

Encontro de Formação da PASCOM


No último Sábado, 21, no Centro Diocesano, aconteceu o encontro da PASCOM (Pastoral da Comunicação) do Vicariato de Nossa Senhora do Livramento. Estiveram presentes oito participantes do vicariato e dois representantes das paróquias de São Paulo Apóstolo (Novo Horizonte) e São Bento (Ibicoara). A formação foi conduzida pelos Seminaristas Kleber Chaves e Élcio Neves, membros da coordenação. O encontro proporcionou a capacitação dos jovens, tornando-os agentes da PASCOM. Todo o momento transcorreu num clima de interesse e envolvimento, além de entusiasmo. Confira as fotos.


PASCOM do Vicariato Nossa Senhora do Livramento

20 de maio de 2016

SOLENIDADE DA SANTÍSSIMA TRINDADE

Leituras bíblicas:
Provérbios 8,22-31;
Salmo 8;
Romanos 5,1-5;
João 16,12-15.
O Deus que nós cristãos conhecemos é Pai e Filho e Espírito Santo. Nós começamos as nossas orações e as celebrações litúrgicas recordando esse ‘mistério’ que a divina Revelação nos apresenta: o nosso Deus é ‘família’ unida por laços de amor infinito. Quando nos reunimos, o Deus-comunhão quer fazer dos seguidores de seu Filho Amado um só corpo unido pelo Amor que o seu Espírito expande em nós.
Hoje, com a liturgia, celebramos a solenidade da Santíssima Trindade, e ‘professando a verdadeira fé, reconhecemos a glória da Trindade e adoramos a Unidade onipotente’ (Oração). Tudo isso o acolhemos pela fé e o conhecemos pela História da Salvação narrada na Bíblia.
De fato, Deus se deu a conhecer à humanidade pouco a pouco. Na plenitude dos tempos (Gl 4,4), o Pai enviou seu Filho, ‘nascido de uma mulher’, para manifestar o plano de amor que, ‘antes da fundação do mundo’ (Ef 1,4), guardava em seu coração. A vitória de Cristo sobre a morte abre para uma nova esperança e realiza os novos tempos. O Pai ‘encabeçou em Cristo todas as coisas’ (Ef 1,10), e por Ele revelou seu rosto misericordioso. Mas, não tendo os discípulos capacidade para compreender as ‘muitas coisas’ que Ele ensinou, o Pai enviou o “Espírito da Verdade” que - promessa de Jesus – “receberá o que é meu e vo-lo anunciará” (Evangelho). Assim, fomos ‘selados pelo Espírito prometido’ (Ef 1,13) que nos conduz “à plena verdade”.
O Espírito comunica e atualiza o que Jesus fez e ensinou, segundo o projeto do Pai. Ele comunica aos discípulos o sentido profundo da Palavra, dá força para sermos fiéis e darmos testemunho, hoje, da Pessoa de Jesus e de seu projeto de amor sobre a humanidade inteira. Ele liberta do medo e dá coragem para sermos ‘profetas’ do mundo novo, impregnado do seu amor, e para que continuemos acreditando nas promessas do Pai e em sua realização na vida dos que acreditam na presença de seu amor.
O apóstolo Paulo resume - II leitura, carta aos Romanos - os conteúdos dessa nossa fé. Afirma que, pela fé, nós somos declarados justos e, por isso, ‘vivemos em paz com Deus, pela mediação do Senhor nosso Jesus Cristo’. A mesma fé nos sustenta na ‘esperança da glória de Deus’, ‘esperança que não decepciona, porque o amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado’.
Nessas poucas palavras, é apresentado o que pela fé acreditamos. O sentido da vida cristã é iluminado pela vitória de Jesus que projeta sua luz também nas circunstâncias mais difíceis. Nelas, a presença do Espírito ampara os discípulos como prometeu Jesus.
Com o batismo, feito no Nome da Trindade santa, instauramos uma relação de filhos ‘no Filho’, somos “conduzidos’ pelo Espírito da Verdade” para assumirmos os compromissos de testemunhar e anunciar o Evangelho a todos os povos (cf. Mt 28,19). Nisso consiste a verdadeira sabedoria. O que nossos antepassados desejavam (I leitura), agora nos é doado em plenitude pela presença daquele que supera a sabedoria dos sábios.
Confiantes, pedimos ao Senhor que nos ajude a acreditar e a testemunhar ‘tudo o que Ele revelou e nós cremos’, ‘adorando cada uma das pessoas na mesma natureza e majestade’ (Prefácio).
Acreditar no Deus-Trindade comporta estabelecer relações de amor e acolhida, de comunhão e paz com os irmãos. O que Jesus ensinou, Ele ‘o aprendeu’ na intimidade do Pai e do Espírito. Nesse mesmo amor, Ele nos envolve e conduz. Seja esse o nosso pedido e compromisso: que a fé que professamos transforme de maneira coerente o nosso ser e o nosso agir.

Dom Armando