Domingo da Solenidade da Assunção de Nossa Senhora


LEITURAS:
Ap 11,19ª; 12,1.3-6ª.10ab
Sl 44
1Cor 15,20-27ª
Evangelho: Lc 1,39-56
Em Maria Deus assume a nossa humanidade
Pela Tradição Oral da Igreja, Maria teria adormecido em 15 de agosto de 43 d.C. Esta festa era celebrada tanto na Igreja Católica do Oriente quanto na do Ocidente como a festa da “Dormição”. Foi em 1950 que o papa Pio XII proclamou o dogma da Assunção de Nossa Senhora ao Céu. Conta que ela tinha 50 anos quando foi elevada ao céu.
A Igreja sempre venerou Nossa Senhora como aquela mulher corajosa e colaboradora no projeto de salvação de Deus para a humanidade. Sua vida foi marcada por dores. Participou da vida, do sofrimento e da morte do seu filho Jesus, nosso Salvador. Ao celebrar a festa da Assunção, a Igreja reconhece que Deus que nos criou no seu amor, nos assumirá assim como o fez com Maria. A Assunção é o prenúncio do que Deus fará conosco, isto é, com a sua Igreja, que será elevada ao céu.
A primeira leitura de hoje, tirada do livro do Apocalipse, relata uma cena meio pavorosa: a perseguição, nos ares, contra uma mulher. Nos céus aparece a figura de uma mulher brilhante, vestida de sol e aparece também um dragão que varre as estrelas e tenta devorar o seu filho. Esta visão apocalíptica retrata a perseguição sofrida pela Igreja nascente no início do cristianismo. A visão apocalíptica nesse trecho traz 3 personagens como vimos: o menino, a mulher e o dragão. Evidente que o menino é Cristo que é destinado a governar as nações e o mundo. A mulher como vimos pode representar 3 figuras: o Povo de Israel, a Igreja e Maria. O povo de Israel representa a mulher que gera Jesus para o mundo. É também a Igreja que sofre perseguição no seu início e precisa fugir para se salvar, e representa também Maria a mãe de Jesus, que é plena de graça. Ao entregar-se ao serviço de Deus, Maria participou da história da libertação da humanidade e de todo o sofrimento de Cristo e dos seus seguidores. Ela é esplêndida como a luz do sol, porque está cheia de eternidade. Com a lua debaixo dos pés significa que está acima do tempo. Essa mulher é o símbolo da esposa triunfante vencendo as forças contrárias que pretendem atrapalhar o projeto de salvação de Deus para a humanidade. Essas forças são descritas na visão apocalíptica como o dragão que persegue e tenta deter a mulher e devorar o seu filho. O dragão porém, é golpeado pela Páscoa de Cristo que vence a morte.
Entendemos que existe no mundo as forças contrárias à vida, ao bem e ao amor. Essas forças são destruidoras e mortíferas. Entretanto cremos no poder e no amor de Deus que vence a batalha contra o mal. Um dia quando todas as potências forem destruídas Cristo entregará ao Pai o seu Reino: Reino de justiça, de amor e de paz. Esta é a mensagem da segunda leitura de hoje que fala da ressurreição de Cristo como aquele que representa o modelo e o primeiro fruto de Deus contra as forças do mal, inclusive a morte, como último inimigo a ser derrotado.
O Evangelho deste dia repete aquele trecho sempre posto nas liturgias de culto a Nossa Senhora, o da visitação de Maria à sua prima Isabel. Maria é a mãe que vai visitar quem está grávida(o) de fé e de esperança. Isabel representa a humanidade frágil e às vezes sem esperança da realização do poder de Deus. Maria é a serva sensível e atenta às necessidades dos filhos de Deus. É tão bonito notar que ela também grávida de Deus, o leva a quem está grávida(o) da força de Deus. Ela porta Jesus a quem acredita. E quem acredita, Deus cumpre o que promete. Isabel exclama com força e entusiasmo: é feliz, é bem-aventurado quem crê!
Maria compreende naquele momento do encontro com sua prima, cheio de fecundidade, no exuberante, esplêndido e majestoso MAGNIFICAT, que Deus realiza o seu projeto de amor para o mundo, a salvação. É chegada a salvação para o mundo, principalmente para os pobres. É o canto da esperança para o povo de Deus, para o povo de Israel.
Este dia nos faz compreender que assim como Maria, toda a nossa comunidade deve ser portadora de Jesus às pessoas. Somos frágeis vasos de barro, mas a graça é de Deus. Concluímos com as palavras de Isabel nesta festa da Assunção de Nossa Senhora: “de onde me vem esta honra de Deus me visitar?”. De onde nos vem a honra de sermos elevados à glória de Deus? Que Maria Assunta ao céu interceda ao Senhor por nós, para que um dia participemos, como ela, da sua glória na eternidade, e que Deus assumindo-nos, acolha-nos um dia ao seu lado no seu Reino de Amor.
Pe. Nicivaldo Evangelista

AGENDA DO BISPO



AGOSTo 2018 - III

Dia
Horas
Onde
Atividade
16 -17: Brasília – CNBB: Encontro da Comissão dos ministérios e da Celebração da Palavra
18
Manhã
Casa do Bispo
Atendimento
09.45
Centro diocesano
Encontro Pastoral litúrgica
Tarde
Casa do Bispo
Atendimento
19
07.00
Catedral
S. Missa
Manhã
Centro diocesano
Encontro Pastoral litúrgica
20.00
Paróquia Nsa. Senhora da Saúde -Jussiape
S. Missa
20
10.00
Comunidade Arapiranga – Rio de Contas
S. Missa na festa do Padroeiro
Tarde
Casa do Bispo
Atendimento
17.00
Encontro Crismandos Jovens
21
09.00
Centro diocesano
Encontro Coordenação diocesana de Pastoral
15.00
Casa do Bispo
Encontro Comissão Administrativa
19.30
Comunidade Casa de Telhas – Rio de Contas
S. Missa
22
Manha
Casa do Bispo - Cúria
Atendimento
Tarde
Casa do Bispo
Atendimento
19.00
S. Missa
19.30
Encontro Crismandos adultos
24
Manhã
Casa do Bispo – Cúria
Atendimento
Tarde
Casa do Bispo
Atendimento
19.30
Comunidade Formosa – Taquari
S. Missa com Crisma
25
15.00
Comunidade S. Bárbara - Iramaia
S. Missa Com Crisma
18.00
Comunidade Olhos D´´Agua - Iramaia
26
08.30
Paróquia Nsa. Senhora da Saúde -Jussiape
Encontro Conselho Pastoral Paroquial
16.00
Comunidade Inúbia - Piatã
S. Missa
19.30
Paróquia Senhor Bom Jesus - Piatã
S. Missa
27 – 29: Itapoã – Salvador: Assembleia NE 3

Solenidade da Assunção de Maria

Ontem(15), com jubilosa celebração Eucarística, com procissão e grande participação dos fiéis celebramos a festa de Nossa Senhora do Livramento, padroeira de nossa cidade e diocese. Devido ao fato de ser nossa padroeira, como em todas as Igrejas do mundo, a solenidade da Assunção de Maria, foi celebrada no dia 15 de agosto, porém, no Brasil, essa solenidade é transferida para o domingo seguinte, neste ano, dia 19 de agosto. O nosso bispo, dom Armando Bucciol, falou sobre o sentido litúrgico dessa festa no site da CNBB. De acordo com ele, a história da festa tem origem a partir do Concílio de Éfeso (451) que proclamou Maria “Mãe de Deus”. 


19º Domingo do Tempo Comum – Ano B

Leituras:
1 Rs 19,4-8 
Sl 33(34)
Ef 4,30-5,2
Jo 6,41-51 
  As leituras deste domingo continuam a temática do pão dos domingos passados. Desta vez, o foco é, novamente, a bondade de Deus para conosco, mas, para que os bens que Ele nos destina, sejam aproveitados por nós, há a necessidade de se “provar”, experimentar o próprio Deus nos bens que Ele nos concede. Ao nos dar algo, Deus também dá a si mesmo. Também nas dificuldades, quando nos apresentamos ao Senhor, já sem forças e até ameaçados em nossa vida, Deus nos concede ainda mais vigor para caminhar.
Elias é o exemplo disso, por sua fidelidade a Deus é perseguido e se vê sem saída. Procurando refúgio no Senhor e até pedindo a morte, Elias percebe que Deus não quer a sua morte e lhe dará forças para caminhar ao seu encontro. Aqui há outro elemento importante, a presença dos anjos com o alimento para Elias é sinal de que a companhia Deus em nossa vida é alimento, força, sustento, energia e direcionamento para o encontro definitivo com a vida e felicidade completas, isto é, com o próprio Deus. Esta indicação da primeira leitura é imagem da eucaristia. Nela nos encontramos com Jesus nesta vida terrena a fim de que tenhamos força para nos preparar e caminhar, dia após dia, ao encontro definitivo com Ele.
Entretanto, ao obter os bens de Deus, precisamos perceber, como Elias, que o Senhor se manifesta em nossa vida de forma forte, como no alimento dado pelos anjos, mas também de forma discreta, como a brisa. Se esperarmos só as manifestações fortes de Deus, corremos o risco de fazer, como alguns judeus do evangelho, que vendo as ações de Jesus, duvidavam que Deus pudesse se manifestar poderosamente numa forma discreta, num homem simples como Jesus.
Por isso, São Paulo adverte aos efésios sobre o risco de barrar a ação de Deus no meio da comunidade, não levando a sério a marca com que Ele sela cada batizado, que deve imprimir nos cristãos a imitação da sua bondade com abertura e perdão.
Olhemos para nossa realidade e busquemos em Deus não só o alimento de vida, mas também o seu jeito de doar a vida, para sermos verdadeiros herdeiros do seus bens como também das suas qualidades. 

Adriano Bonfim Pereira
Seminarista em estágio pastoral

Bons como o Bom Jesus

Paróquia Bom Jesus do Taquarí/
Imagem/Reprodução: Mandacaru da Serra.
As Paróquias do Bom Jesus de Barra da Estiva e do Taquarí e a Comunidade de Sussuarana da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro de Tanhaçu, encerraram no último dia 06, Solenidade da Transfiguração do Senhor, a festa do Bom Jesus. 

Durante as nove noites que antecederam a solenidade, essas comunidades viveram momentos de grande espiritualidade refletindo o ano do laicato, a partir do tema: Cristãos leigos e leigas, sal da terra e luz do mundo na Igreja e na sociedade".
Paróquia Bom Jesus de Barra da Estiva

Nosso bispo, Dom Armando, celebrou a solenidade na Paróquia de Barra da Estiva e do Taquari, em suas reflexões ele convidou, embasado pelo texto do documento 105 da CNBB, a todos os Leigos conscientes de seu papel a assumirem o papel na participação política e nos interesses comunitários, realizando assim o protagonismo leigo nos ambientes sociais. Ainda convidou a todos os cristãos, para que, transfigurados pela imagem do Senhor possam ser propagadores do Evangelho e testemunhas da Bondade do Bom Jesus. 

Acompanhe as fotos:

Encontro de formação litúrgico-musical

A Pastoral Litúrgica da Diocese de Livramento, sob a coordenação do Pe. Weverson, promoverá nos dias 18 e 19 de agosto,o encontro de formação litúrgico-musical, para cantores e instrumentistas que atuam na liturgia em nossas comunidades. 

O encontro começará às 8h do sábado (18) e encerrará às 12h do domingo (19), no Centro Diocesano em Livramento de Nossa Senhora-Ba. Será uma grande oportunidade de formação para os músicos e cantores que realizam esse importante serviço nas paróquias. Não deixe de participar!

AGENDA DO BISPO





AGOSTo 2018 - II

Dia
Horas
Onde
Atividade
08
Manhã
Casa do Bispo
Atendimento
Tarde
Vitória da Conquista
Acolhida amigos italianos
09
Manhã
Com amigos da Itália
Visita Cidade
14.30
Bairro Benito Gama -Taquari
Visita projeto Partilhar o pão
17.30
Casa do Bispo
Atendimento
19.30
Centro diocesano
Encontro grupo Casais
10
Manhã
Dom Basílio
Visita Colégios
19.30
Comunidade Gado Bravo - Taquari
S. Missa com Crisma
11
Manhã
Vitória da Conquista
Assessoria Encontro Catequese
Noite
Comum. Mato Grosso – Rio de Contas
S. Missa
12
Dia
Paróquia Santa Luzia - Ibipitanga
Encontros com Jovens e Catequistas
19.30
Catedral
S. Missa
13
Manhã
Caetité (Seminário)
Visita
Tarde
Guanambi e Candiba
Visita e encontros
19.30
Comunidade Pilões
Visita e S. Missa
14
Manhã
Barra da Estiva
Visita
Tarde
Gruta da Mangabeira – Ituaçu
Visita
19.30
Paróquia Nossa Senhora do Alívio - Ituaçu
S. Missa (na Novena Padroeira)
15
10;00
Catedral
S. Missa, na festa da Nossa Padroeira
Tarde
Para Riacho de Santana
Acompanhando os amigos da Itália
19.30
Paróquia Senhor do Bonfim – Rio do Pires
S. Missa (aniversário falecimento Pe. Jacques)